Rui Rio defende que venda de imóveis feita pelo Novo Banco “teve contornos criminosos”

Líder social-democrata entende as operações de venda de ativos do Novo Banco podem constituir matéria criminal e voltou a pedir ao Ministério Público que investigue o caso até às últimas consequências.

rui_rio_psd
Tiago Petinga/Lusa

O presidente do PSD considerou, esta quarta-feira, que a venda de imóveis feita pelo Novo Banco teve “contornos criminais”. Rui Rio considerou que esta venda, que contribuiu com enormes perdas para o banco, é um escândalo. “É demais”diz, e apela para que o Ministério Público olhe para a situação “a sério”.

Em entrevista à RTP 3, emitida esta noite, Rui Rio sublinhou por diversas vezes a “gravidade política” do caso, mas não esqueceu a parte judicial. “Acho que há uma questão criminal no Novo Banco”, apontou.

“Eu não tenho dúvidas, tenho uma certeza: o Governo não cuidou de conferir as faturas que o Novo Banco lhe mandou.”, refere. Para o líder da oposição governamental, o executivo de António Costa não procurou saber se as perdas são reais ou se foram “inventadas”.

“O Novo Banco começa a vender imóveis, e vende-os a perder dinheiro? Quando toda a gente que vendeu imóveis ao longo dos anos ganhou dinheiro?”, questionou. “Isto é dantesco”, criticou o líder social-democrata.

Em causa está a notícia do “Público” que denuncia que o Novo Banco vendeu 13 mil imóveis a um fundo de investidores anónimos a que também deu crédito. Segundo o jornal, a operação de 10 de outubro de 2018, que resultou na alienação do portfolio Viriato, acabou com o Fundo de Resolução a compensar o Novo Banco pelas perdas de centenas de milhões.

De acordo com o jornal, foi o maior negócio imobiliário realizado em Portugal nos últimos anos, e o segundo maior da Península Ibérica. As casas e os terrenos — cerca de metade das quais habitações residenciais — foram vendidos muito abaixo do preço por que estavam avaliados. No banco estavam registadas em 631 milhões de euros e foram vendidas por 364 milhões.

Ler mais
Relacionadas

Deixar falir a TAP? “Poderia deixar”, admite Rui Rio

O presidente do PSD defende que a TAP está “tecnicamente falida” e que por isso é de extrema importância pedir ao Governo um plano de negócios “que ainda não apareceu”.

OE2021: Rui Rio admite negociar com um Chega “mais moderado”

O social-democrata admite ponderar negociar com o partido de extrema-direita mas apenas se este mudar o seu rumo político. “Se continuar como tem ido, então aqui temos um problema porque não é possível um entendimento com o PSD”, sublinhou.
Recomendadas

Costa diz que episódio do Novo Banco minou credibilidade do PSD

O primeiro-ministro criticou também o BE, por ter chumbado o Orçamento do Estado, referindo que esse chumbo foi oportunístico e diz que os bloquistas desertaram.

João Ferreira: “Marcelo sujeitou os jovens a uma vulnerabilidade acrescida”

Nos últimos anos, a ação de Marcelo sujeitou os jovens a uma vulnerabilidade acrescida, por exemplo alargando o período experimental. Os Governos não têm governado de acordo com a Constituição”, considerou o atual eurodeputado em entrevista à TVI.
ana_catarina_mendes_ps

PS propõe “medidas de estímulo positivas” para travar desequilibro de género agravado pela Covid-19

O grupo parlamentar socialista considera que é preciso promovam o equilíbrio de género no recurso ao teletrabalho e atrair mulheres para os setores do digital e da energia, para que “não ficarem para trás no processo de transição digital e verde”.
Comentários