Rui Rio: “Está uma estrada aberta para a cooperação” entre Portugal e Angola

O presidente do PSD disse esta quinta-feira, em Luanda, que as relações entre Angola e Portugal têm agora uma “estrada aberta” pela frente, destacando o “simbolismo” de ter sido recebido pelo chefe de Estado angolano, João Lourenço.

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje, em Luanda, que as relações entre Angola e Portugal têm agora uma “estrada aberta” pela frente, destacando o “simbolismo” de ter sido recebido pelo chefe de Estado angolano, João Lourenço.

O líder do maior partido da oposição portuguesa falava aos jornalistas, no Palácio Presidencial, em Luanda, depois de uma audiência, pouco habitual enquanto dirigente partidário, de cerca de 30 minutos, com o Presidente angolano.

À saída, Rui Rio admitiu que as dificuldades provocadas pelo processo judicial em Lisboa, contra o ex-vice-presidente da República, Manuel Vicente, estão ultrapassadas entre os dois países e o relacionamento entra numa nova fase de cooperação.

“Penso que isso é aquilo que todos nós desejamos. Estão criadas, neste momento, as condições, está uma estrada aberta para essa cooperação que tem já muitos anos, como todos sabemos. Pronto, tem os seus acidentes de percurso, teve um acidente de percurso como todos sabemos e não vale a pena naturalmente escondê-lo, mas uma vez ultrapassado temos é que trabalhar e estreitar ainda mais os laços”, disse Rui Rio, questionado pelos jornalistas.

Relacionadas

Rui Rio encontra-se amanhã com o presidente de Angola

O primeiro-ministro, António Costa, também deverá deslocar-se a Luanda em breve, mas não foram ainda adiantadas datas.
Recomendadas

PremiumCabo Verde escolhe entre continuidade e regresso do PAICV

Legislativas de domingo decorrem sob o impacto da crise pandémica, com o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva a procurar a reeleição.

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca “a qualquer momento”

Alexei Navalny, considerado como o principal crítico do Kremlin (Presidência russa), iniciou no passado dia 31 de março uma greve de fome em protesto contra as condições de detenção a que está sujeito, acusando a administração penitenciária de lhe recusar o acesso a um médico e a medicamentos, uma vez que sofre, segundo indicaram os seus advogados, de uma dupla hérnia discal.

Negociações sobre nuclear com o Irão continuam e registam progressos

Depois de uma reunião da chamada “comissão conjunta” do acordo JCPOA, as delegações do Irão, Alemanha, Reino Unido, França, China e Rússia decidiram que os dois grupos de especialistas – criados na semana passada – continuam hoje e nos próximos dias o seu trabalho.
Comentários