Rui Rio já convocou reunião extraordinária do Conselho Nacional do PSD

Pouco mais de 24 horas passadas sobre a avançada de Luís Montenegro, Rui Rio ripostou de forma dura e quer tudo clarificado no PSD.

Rui Rio já convocou uma reunião extraordinária do Conselho Nacional do PSD, para votar uma moção de confiança à sua liderança no partido, disse hoje, dia 12 de janeiro, há minutos, o dirigente social-democrata, em resposta ao desafio lançado ontem por Luís Montenegro ao seu consulado.

O presidente do PSD relembrou que foi eleito “há precisamente um ano” e que tomou posse no cargo “há menos de 11 meses”.

Numa declaração pública num hotel do Porto, que, a exemplo do que tinha feito Luís Montenegro no dia da véspera, não houve hipóteses para a colocação de perguntas, Rui Rio foi muito crítico do seu atual opositor, acusando-o de ‘”golpes palacianos”, “permanente política do bota-abaixo”, “postura eticamente questionável” e de “estar ao serviço de interesses pessoais ou de um qualquer grupo, às claras ou escondidos sob um manto de um qualquer secretismo”, aludindo à alegada pertença de Luís Montenegro a uma das fações da maçonaria.

Rui Rio considerou que o avanço de Luís Montenegro no ataque à liderança do PSD “é fazer um jogo ao PS e um serviço de primeiríssima qualidade a António Costa”.

Relacionadas

Crise no PSD: Rio acusa Montenegro de “fazer o jogo” do PS e de Costa

“Não há memória de na historia da democracia portuguesa, um dirigente ter lançado tamanha confusão e instabilidade no seu partido a tão pouco tempo das eleições. É difícil imaginar melhor serviço ao PS e ao Governo”, acusou o presidente do PSD, referindo-se a Luís Montenegro.
Recomendadas

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Fisco restitui coimas do ViaCTT

No regime anterior, um contribuinte que fosse obrigado a aderir à ViaCTT e não o fizesse atempadamente estaria sujeito ao pagamento de uma coima que poderia ir dos 50 aos 250 euros.

CDS marca debate de atualidade sobre gestão da CGD: “Governo tem papel pouco ativo no apuramento dos factos”

Em declarações ao Jornal Económico, o porta-voz do CDS, João de Almeida, defende que “há aqui também uma responsabilidade do Banco de Portugal, já que há um conjunto de funções enquanto supervisor que continuou a estar fora de detetar e a tempo útil”.
Comentários