Rui Rio: “O Governo que vier terá de ser de salvação nacional”

Líder social-democrata disse, em entrevista à RTP1, que ainda não é altura de pensar num eventual acordo para governar Portugal em tempos de crise económica. E advertiu que “não passa cheques em branco” a António Costa.

O presidente do PSD, Rui Rio, disse neste domingo, em entrevista à RTP1, que Portugal deverá encarar a hipótese de um governo de salvação nacional, como tem sido defendido nas últimas semanas por vários quadrantes, comentando que “o Governo que vier terá de ser de salvação nacional”. No entanto, mesmo dizendo que faz sentido pensar nessa solução para enfrentar a crise económica decorrente da pandemia de Covid-19, o líder social-democrata garantiu que “tão cedo” não irá pensar nisso.

Semanas depois de dizer na Assembleia da República que o PSD seria “colaboração” e não oposição ao Executivo de António Costa, Rio advertiu que “não passará cheques em branco”, e apesar de concordar que as afirmações do ministro das Finanças da Holanda sobre as necessidades de apoio financeiro de Espanha – rotuladas de “repugnantes” pelo primeiro-ministro – “não foram aceitáveis”, acrescentou que “cometemos erros de endividamento” que os países da Europa do Norte não cometeram.

”Fragilizar o Governo neste momento é fragilizar o nosso combate”, disse ainda o líder social-democrata, sem deixar de mencionar falhas no combate à Covid-19, nomeadamente na proteção aos profissionais de saúde. Certo é que, na opinião de Rui Rio, o Estado de Emergência deverá ser renovado, permitindo conter a pandemia.

Considerando que as medidas em vigor “estão razoavelmente equilibradas” entre a prioridade de lidar com a crise de saúde pública e a manutenção de atividade económica, o presidente do PSD disse que o Estado deve garantir rendimentos às pessoas que estão impedidas de trabalhar e impedir uma quebra ainda mais acentuada na economia nacional. No entanto, referiu que deverá haver contenção nos gastos, pois “é evidente que o Estado se irá endividar brutalmente”.

Relacionadas

‘Geringonça ao centro’ ou governo de salvação surgem no horizonte

Maioria para “repartir os sacrifícios” da crise pode levar o PSD a juntar-se ao PS, estando por saber em que moldes. Mas António Costa e Rui Rio ainda nada disseram sobre uma ideia conotada com Belém.

Nuno Garoupa: “Era deixar a oposição às franjas numa altura muito complicada”

Politólogo diz que coordenação parlamentar com o PSD é a melhor solução. E defende que Bloco Central levaria Bloco de Esquerda a 15% e Chega a 10%.
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários