Rússia alerta para crise económica global devido à Covid-19 e ao petróleo

Dmitri Peskov, porta-voz da presidência da Federação Russa, alertou hoje a comunidade internacional que “em breve todos os depósitos de petróleo do mundo estarão cheios até à borda”, prevendo que “isto resultará num preço absolutamente mínimo para o petróleo, o que não é lucrativo para nenhum país”.

A Federação Russa, por intermédio do porta-voz da respetiva presidência, Dmitri Peskov, alertou hoje, dia 5 de abril, a comunidade internacional para o impacto de uma crise económica a nível global, pedindo ao mundo que se prepare para as consequências causadas, não só pela pandemia de Covid-19, mas também pela queda consecutiva dos preços do petróleo.

“Estamos conscientes de que a crise económica mundial, causada, entre outras coisas, pelo [novo] coronavírus, se manifestará e devemos estar preparados”, disse à televisão pública o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

Peskov sublinhou que esta crise exigirá “coordenação” de políticas e medidas anticrise envolvendo “muitos países” e apontou que a medida anunciada pelo presidente russo, Vladimir Putin, de prolongar as férias pagas até ao final do mês, com vista a conter a pandemia, representa um “grande fardo” para a economia nacional.

Outro aspeto referido por Peskov no que diz respeito à crise económica que diz adivinhar-se, é a queda dos preços do petróleo causada por uma guerra de preços desencadeada pela Arábia Saudita.

“Os nossos parceiros na Arábia Saudita decidiram fazer cortes sem precedentes, o que levou a um aumento também sem precedentes na extração”, disse o porta-voz da presidência russa.

Dmitri Peskov alertou que “em breve todos os depósitos de petróleo do mundo estarão cheios até à borda”, recordando que atualmente os petroleiros já não se usam para transportar petróleo bruto, mas sim bidons flutuantes.

“Isto resultará num preço absolutamente mínimo para o petróleo, o que não é lucrativo para nenhum país”, acrescentou.

Peskov recordou que a Rússia nunca defendeu o fim do acordo no âmbito da OPEP+ e que Putin mantém “negociações construtivas”, por considerar que não existe outra alternativa para estabilizar o mercado internacional de hidrocarbonetos.

A OPEP+ corresponde ao grupo que junta os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) com outros produtores, como a Federação Russa.

No sábado, foi anunciado que a OPEP e os seus aliados adiaram para quinta-feira a reunião prevista para segunda, sobre a queda das cotações do petróleo associadas à pandemia da Covid-19.

Russos e sauditas, os dois principais produtores de petróleo, juntamente com os Estados Unidos, não concordam com a quantidade de produção a ser reduzida.

Putin disse na sexta-feira que a presidência russa está disponível para chegar a um acordo, desafiando os Estados Unidos a participarem das negociações de forma a equilibrar o mercado.

Já a Arábia Saudita, no sábado, classificou como “categoricamente falsas” as acusações de Moscovo sobre a recusa de Riade de prolongar o acordo entre os países da OPEP+ e seus aliados.

Portanto, o ambiente de conflito entre os principais produtores mundiais de petróleo mantém-se sem resolução enquanto a generalidade dos países do globo se confronta com uma grave pandemia mundial sem solução à vista.

 

Ler mais
Recomendadas

80,6 mil milhões de euros. Mark Zuckerberg já é mais rico que Warren Buffett

O ‘Business Insider’ explica que a subida de Zuckerberg se deveu aos resultados inesperados da plataforma e ao aumento do número de utilizadores durante o primeiro trimestre de 2020.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.

Centros comerciais e lojistas preparados para reabrir em junho

“A APCC [Associação Portuguesa de Centros Comerciais] enquanto interlocutor deste setor em Portugal reitera que os centros comerciais e os seus lojistas estão preparados para voltar em pleno no início da fase três do plano de desconfinamento, tal como previsto”, indicou, em comunicado, a associação.
Comentários