Rutura de negociações à vista entre a banca e os sindicatos

As direções do SBSI – Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas e do SBC – Sindicato dos Bancários do Centro vão reunir-se para deliberar sobre as medidas a adotar, não afastando qualquer das iniciativas que a lei lhes confere, aludindo, obviamente, à possibilidade convocar greves para o setor da banca em Portugal .

A banca nacional e os sindicatos do setor estão à beira de uma rutura negocial.

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas e o Sindicatos dos Bancários do Centro anunciaram há minutos, em comunicado, que se recusaram a prosseguir as reuniões que estavam a decorrer com as entidades patronais da banca em torno dos aumentos salariais e do ACT – Acordo Coletivo de Trabalho.

“Face à intransigência das instituições de crédito, SBSI e SBC desmarcaram a reunião de negociações agendada para hoje e as direções sindicais vão reunir-se para deliberar as medidas a adotar”, assume o referido comunicado.

Numa posição conjunta, o SBSI e o SBC dizem que “fizeram depender a reunião agendada para hoje, dia 16 de julho, de uma evolução negocial das instituições de crédito (IC) subscritoras do ACT do setor bancário”.

“Lamentavelmente, a banca manteve-se irredutível na sua proposta de 0,75% de aumento salarial e os Sindicatos cancelaram a sessão. Gorada a expetativa de que imperasse o bom senso e fosse possível uma aproximação entre as partes, SBSI e SBC adiantaram não estar disponíveis para manter reuniões em que se repete o mesmo discurso, prolongando no tempo um processo que nada tem de negocial”, adianta o referido comunicado.

Segundo esta posição conjunta do SBSI e do SBC, “todas as propostas apresentadas pelos sindicatos têm sido recusadas liminarmente – sem nem sequer se dignarem a analisá-las –, razão por que consideram contraproducente continuar a perder tempo”.

“As posições estão extremadas. Perante o impasse atual e a possível rutura
negocial, as direções do SBSI e do SBC vão reunir-se para deliberar sobre as
medidas a adotar, não afastando qualquer das iniciativas que a lei lhes confere”, aludindo, obviamente, à possibilidade convocar greves para o setor da banca em Portugal .

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários