Ryanair, Germania ou Joon: como as low-cost sofreram com aumento dos combustíveis

Aumento de 50% do preço dos combustíveis, durante o verão de 2017, fez com que uma dúzia destas empresas desaparecessem.

A revolução das companhias aéreas low-cost parece ter ‘aterrado’ em definitivo. Uma das principais razões, segundo conta o jornal espanhol “El Mundo”, prende-se com a subida do preço dos combustíveis.

Em 2018, uma dúzia destas empresas foram obrigadas a desaparecer, por não serem capazes de lidar com a concorrência entre si e não terem tido a capacidade de resistir um ano após o aumento de 50% do preço dos combustíveis, durante o verão de 2017.

A belga VLM, a dinamarquesa First Air ou a cipriota Cobalt Air fecharam portas em 2018, no primeiro mês e meio de 2019, a alemã Germania Airlines, também encerrou, seguindo-se o anúncio da Air France, que acabou com a subsidiária Joon.

A crise conseguiu afetar até a poderosa marca da Irlanda, Ryanair, que na última apresentação dos resultados trimestrais registou perdas de 19,7 milhões de euros. Embora tenha apresentado um saldo trimestral negativo, a verdade é que em 2018, a companhia teve mais dois milhões de passageiros do que no ano anterior e aumentou as suas receitas em 10%.

Esta crise integra também o quadro mais amplo de factores considerados incontroláveis como o Brexit, isto porque, embora Londres e Bruxelas tenham registado os mesmos voos, que no ano passado, ainda estão em execução um número infinito de incógnitas no ar.

Recomendadas

Turcos do grupo Yilport querem Leixões perto da capacidade de Sines

Robert Yildirim, patrão do operador portuário Yilport – o segundo maior europeu -, vai aumentar a capacidade do terminal sul de Leixões para 670 mil TEU e quer ter um milhão de TEU no terminal norte.

Trabalhadores do Montepio temem que instabilidade se reflita nos resultados anuais

A Comissão de Trabalhadores refere-se às “sucessivas alterações” nos órgãos sociais do Banco Montepio. Os trabalhadores queixam-se ainda do modelo de progressão de carreiras e querem ser envolvidos no Plano de Transformação anunciado por Carlos Tavares.

CMVM, Banco de Portugal e ASF na nova autoridade de resolução

A reforma da supervisão financeira inclui a criação de uma autoridade de resolução bancária que vai ter na administração dois membros do BdP, um da CMVM, um da ASF e um quinto, que virá de fora.
Comentários