Ryanair, Germania ou Joon: como as low-cost sofreram com aumento dos combustíveis

Aumento de 50% do preço dos combustíveis, durante o verão de 2017, fez com que uma dúzia destas empresas desaparecessem.

A revolução das companhias aéreas low-cost parece ter ‘aterrado’ em definitivo. Uma das principais razões, segundo conta o jornal espanhol “El Mundo”, prende-se com a subida do preço dos combustíveis.

Em 2018, uma dúzia destas empresas foram obrigadas a desaparecer, por não serem capazes de lidar com a concorrência entre si e não terem tido a capacidade de resistir um ano após o aumento de 50% do preço dos combustíveis, durante o verão de 2017.

A belga VLM, a dinamarquesa First Air ou a cipriota Cobalt Air fecharam portas em 2018, no primeiro mês e meio de 2019, a alemã Germania Airlines, também encerrou, seguindo-se o anúncio da Air France, que acabou com a subsidiária Joon.

A crise conseguiu afetar até a poderosa marca da Irlanda, Ryanair, que na última apresentação dos resultados trimestrais registou perdas de 19,7 milhões de euros. Embora tenha apresentado um saldo trimestral negativo, a verdade é que em 2018, a companhia teve mais dois milhões de passageiros do que no ano anterior e aumentou as suas receitas em 10%.

Esta crise integra também o quadro mais amplo de factores considerados incontroláveis como o Brexit, isto porque, embora Londres e Bruxelas tenham registado os mesmos voos, que no ano passado, ainda estão em execução um número infinito de incógnitas no ar.

Recomendadas

Sonae Sierra: projeto de renovação do CascaiShopping eleito o melhor da Europa

O projeto de renovação, que contou com um investimento de 14 milhões, e do centro comercial que conta com 73.800 m2 de Área Bruta Locável (ABL), 199 lojas distribuídas por dois pisos, 40 restaurantes, sete salas de cinema (uma delas IMAX) e o inovador “Cascais Kitchen”.

Monte da Ravasqueira: Das adegas alentejanas para as mesas da China e dos EUA

Negócio de vinhos do Grupo José de Mello isolou as exportaçõese a criação de valor como vetores de desenvolvimento. No ano passado,o volumede negócios disparou 30%e a tendência mantém-se positiva em 2019.

Clientes são os vencedores do ‘confronto’ entre FinTech e a banca

Com a aposta no digital, a banca segue o exemplo das FinTech em identificar soluções para resolver as exigências dos clientes.
Comentários