Ryanair vai encerrar duas bases e fazer cortes devido a atrasos da Boeing

A companhia aérea de baixo custo informou que vai alterar o seu calendário de voos para o verão de 2020 com o encerramento em março das bases de operações em Nuremberga (Alemanha) e em Skavsta (Suécia), ao mesmo tempo que vai também reduzir a capacidade de algumas das restantes bases.

A companhia aérea irlandesa Ryanair anunciou esta quarta-feira que vai eliminar empregos e encerrar duas bases no próximo verão devido a uma previsão de queda no movimento de passageiros provocada por atrasos na entrega de aviões Boeing 737 MAX.

A companhia aérea de baixo custo informou que vai alterar o seu calendário de voos para o verão de 2020 com o encerramento em março das bases de operações em Nuremberga (Alemanha) e em Skavsta (Suécia), ao mesmo tempo que vai também reduzir a capacidade de algumas das restantes bases.

A Ryanair já tinha indicado no mês passado que existia “um risco real” de não ter todos os aparelhos novos em 2020 e hoje confirmou que só vai receber 10 aviões MAX em vez dos 20 previstos.

Em consequência, a companhia calcula que vai transportar 156 milhões de passageiros no próximo exercício fiscal, que termina em 31 de março de 2021, um milhão abaixo do previsto anteriormente.

“Lamentamos o encerramento destas duas bases e cortes menores na capacidade de outras bases, o que se deve apenas a mais atrasos na entrega dos nossos aviões Boeing MAX”, explicou em comunicado o administrador da Ryanair Eddie Wilson.

O dirigente assegurou que a empresa continua a trabalhar com o fabricante norte-americano e com os aeroportos afetados para “minimizar” os cortes na sua capacidade e as “perdas de empregos”.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários