Saint-Gobain investe 1,2 milhões de euros em nova linha de produção em Aveiro

O investimento do grupo industrial francês pretende dar resposta ao crescimento de vendas experimentado no mercado português, assim como reforçar a posição de liderança que a empresa tem na experiência e satisfação do cliente, nas necessidades do mercado, na produtividade e na sustentabilidade, eficiência energética e conforto integral dos edifícios.

O grupo industrial produtor de vidros Saint-Gobain investiu 1,2 milhões de euros numa nova linha de produção na sua unidade de Aveiro.

“Esta expansão irá possibilitar a ampliação da oferta de produtos Weber da empresa. A multinacional francesa Saint Gobain, líder no setor da construção e um dos 100 maiores grupos industriais do mundo, acaba de concluir o investimento de 1,2 milhões de euros numa nova linha de pastas de produção para a Saint Gobain Weber, na cidade de Aveiro”, assinala um comunicado do grupo.

De acordo com essa nota, “o investimento permitirá ampliar a capacidade de produção dos produtos de revestimento de fachadas, assim como dará a possibilidade de produzir novos produtos nas gamas de colagem e
pavimentos”.

“O investimento da Saint-Gobain pretende dar resposta ao crescimento de vendas experimentado no mercado português, assim como reforçar a posição de liderança que a empresa tem na experiência e satisfação do cliente, nas necessidades do mercado, na produtividade e na sustentabilidade, eficiência energética e conforto integral dos edifícios. Adicionalmente, o investimento levará a um ‘upgrade’ da automação dos processos, permitindo um incremento da produtividade. Assim, aumentará substancialmente o volume da torre existente, o que terá impacto na área de produção disponível para a linha”, assegura o referido comunicado.

A Saint-Gobain afirma-se como a líder no mercado de construção e comercializa produtos para o setor da construção e indústria, “desenvolvendo soluções inovadoras que melhoram o conforto dos utilizadores, permitindo-lhes enfrentar os desafios atuais: o crescimento populacional, a melhoria da mobilidade, a eficiência energética e a proteção ambiental”.

Com sede em Paris, a Saint-Gobain é um dos 100 maiores grupos industriais do mundo e, com 350 anos de história, é a empresa mais antiga do CAC 40, uma das maiores no tecido empresarial mundial.

O grupo está presente em 70 países e conta com 170.000 colaboradores, sendo responsável pelas seguintes áreas de negócio: distribuição de produtos de construção, vidro plano, gesso, isolantes, argamassas, produtos de exterior e canalização.

A Saint-Gobain está presente em Portugal desde 1962, ano em que a Cristaleria Espanhola chega a Portugal, mediante uma participação na Companhia Vidreira Nacional S.A (Covina).

“A sólida expansão desenvolvida desde essa altura pela Saint-Gobain, deu-lhe reconhecimento empresarial e um intenso conhecimento, tanto do mercado Habitat (construção), como do setor automóvel e da indústria, mercados nos quais se centrou graças ao seu ‘know-how’ industrial e espírito de inovação permanente”, conclui o comunicado o grupo industrial francês.

Ler mais
Recomendadas

Mais de metade das empresas portuguesas antevê queda das vendas no primeiro trimestre

Segundo o inquérito “Sinais Vitais | Expectativas face um futuro próximo”, realizado em parceria pela CIP e o ISCTE, , 51% das entre 735 empresas inquiridas antecipam uma quebra da faturação nos primeiros três meses deste ano face ao primeiro trimestre de 2020.

Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

Mediapro oferece-se para transmitir jogos da Liga francesa depois da quebra do contrato entre ambas as partes

De forma a evitar que os jogos de futebol profissional da liga francesa ficassem sem transmissão televisiva, a Mediapro disponibilizou-se para emitir os mesmos e direcionar as receitas para a Liga, deduzindo os custos da operação.
Comentários