Salão Imobiliário Português em Paris vai trazer talentos internacionais para Portugal

Marc Laufer, o novo proprietário do Salão Imobiliário Português em Paris, é co-fundador e diretor-executivo da Altice Media Group.

Paris, França – 130 euros

O Salão do Imobiliário e Turismo Português em Paris, adquirido recentemente pelo empresário francês Marc Laufer, vai apostar na captação de talentos internacionais na edição deste ano, que se vai realizar de 17 a 19 de maio, no Parque de Exposições de Porte de Versailles, na capital francesa.

O pavilhão, de cinco mil metros quadrados, vai contar com cerca de 200 expositores, um ciclo de 40 conferências sobre imobiliário e turismo e são esperados 17 mil visitantes a quem vão ser apresentadas oportunidades para residir, investir, empreender, trabalhar e/ou visitar Portugal.

“Para a 8ª edição deste salão português único na Europa, uma das principais apostas é a captação de talentos internacionais, perspetivando Portugal como o ‘hub’ da mobilidade internacional de altos quadros”, destaca um comunicado da organização deste certame.

“Queremos promover a captação de talentos internacionais para Portugal que podem cooperar com os talentos portugueses. Queremos trabalhar o lugar de Portugal na mobilidade internacional dos altos quadros, desde profissionais liberais, a ‘startupers’, criativos e ‘digital nomads'”, destaca o diretor do Salão, Ricardo Simões, sublinhando que as inscrições para os expositores estão “a decorrer a um excelente ritmo” e estão abertas até finais de março.

O ‘slogan’ desta edição é “um salão das oportunidades”. “Oportunidades para os já estabilizados segmentos dos seniores e dos turistas, mas também para o universo das ‘startups’ e das incubadoras especializadas, para o turismo de negócios e para o imobiliário comercial”, adianta o referido comunicado.

Este será também “um Salão das Oportunidades” para investir em todo o país. “Desde a primeira edição, em 2012, o Salão do Imobiliário e Turismo Português em Paris contribuiu fortemente para o ‘boom’ da procura francófona de bens imobiliários em Portugal”, destaca o referido comunicado.

“Ao longo dos últimos anos e por intermédio do salão, as vendas de bens imobiliários terão alcançado dois mil milhões de euros, de acordo com o presidente do salão até à edição de 2018, Carlos Vinhas Pereira”, sublinha o mesmo documento.

O mesmo comunicado assinala que Portugal está na moda para os francófonos e afirma-se como um dos seus destinos favoritos de férias, onde muitos se sentem ’em casa’ e decidem instalar-se”, apresentando como justificativos a “segurança, bem-estar, hospitalidade e vantagens fiscais” para atrair reformados, profissionais liberais e vários artistas, como o famoso criador de sapatos Christian Louboutin, o ‘designer’ Philippe Starck, o músico Florent Pagny e o actor e antigo futebolista Eric Cantona.

“Desde 2009, 23.767 pessoas aderiram ao regime dos residentes não habituais, das quais apenas 1.502 são portuguesas e o maior número é oriundo de França (5.896), de acordo com dados do ministério das Finanças divulgados em setembro de 2018.
A 8ª edição do evento quer alargar as oportunidades de investimento a todo o território e, nesse sentido, chamar a atenção dos investidores para medidas como, por exemplo, o Programa de Captação de Investimento para o Interior, incentivos fiscais à reabilitação urbana, o programa de Instalação de Empresas em Territórios do Interior ou a aprovação do novo aeroporto do Montijo”, avança o referido comunicado.

O certame pretende também afirmar-se como ‘um salão das oportunidades’ para as novas tecnologias em Portugal, “com Lisboa a afirmar-se, cada vez mais, como o ‘Sillicon Valley’ europeu, na senda das oportunidades geradas pelo sucesso da Web Summit e pelo desenvolvimento de um ecossistema de ‘startups’ e novas tecnologias, o Salão do Imobiliário e Turismo Português – Invest.Portugal quer alargar as oportunidades ao resto do país”.

“O objetivo é atrair jovens empreendedores europeus para incubadoras especializadas no interior de um Portugal estável e rico em vantagens concorrenciais”, adianta o comunicado.

Será também ‘um salão das oportunidades” para o turismo de negócios, uma vez que “Portugal mantém-se no ‘top 10’ do ‘ranking’ mundial dos destinos mais procurados para a realização de congressos, conferências e eventos internacionais, de acordo com a listagem anual da Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA na sigla inglesa)”, salientam os organizadores.

O Salão do Imobiliário e Turismo Português em Paris “vai destacar oportunidades no turismo de negócios e revelar as potencialidades no segmento dos ‘MICE’ [‘Meetings Incentives Conferences and Events’], ou seja, em espaços capazes de receber congressos, convenções e outros eventos internacionais.

Será ainda ainda ‘um salão das oportunidades” para o imobiliário comercial, já que Portugal “é um destino de investimento cada vez mais competitivo, ideal para viver, estudar, investigar e criar empresas”.

“O salão vai apresentar aos investidores oportunidades no comércio e nos serviços, uma área consolidada pelos excelentes resultados dos últimos meses. Em 2018, as transações imobiliárias comerciais dispararam para os 3,3 mil milhões de euros, numa subida de 74% face ao ano anterior, de acordo com o relatório da consultora JLL, divulgado em janeiro”, recorda o comunicado.

A 8a edição do Salão do Imobiliário e Turismo Português – Invest.Portugal vai contar com um ciclo de 40 conferências temáticas em torno do imobiliário, do turismo, do investimento e do empreendedorismo.

“Das vantagens de se criar um ‘e-commerce’ em Portugal, aos incentivos para rodar filmes num país seguro, próximo, com profissionais qualificados e diferentes paisagens, a escolha de Portugal como país de residência e/ou de férias vão ser alguns dos temas abordados”, adianta o referido comunicado.

No final de 2018, o empresário francês Marc Laufer comprou o Salão do Imobiliário e do Turismo Português à Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa que criou e organizava o evento desde 2012.

Marc Laufer abraçou o projeto com convicção e profundo conhecimento de causa depois de ter sido um dos milhares de visitantes do Salão do Imobiliário e do Turismo Português e de também se ter deixado seduzir por Portugal, para onde se mudou em 2017. Empresário reconhecido e reputado no setor dos media e eventos, Marc Laufer é co-fundador e director-executivo da Altice Media Group, antigo diretor-geral de NextRadioTV (BFM, RMC) e presidente da NewsCo (L’Etudiant).

A Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa e a Fundação AIP continuam a ser parceiros do evento que conta, ainda, com o apoio das delegações de Paris da AICEP e do Turismo de Portugal.

Ler mais
Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários