Salário é fator mais valorizado pelos candidatos na hora de decidir um emprego

O setor da banca e seguros vai voltar a contratar perfis mais juniores para necessidades específicas, mas está ainda longe da vitalidade de outros setores.

O salário continua a desempenhar o papel fundamental na hora de escolher um emprego, qualquer que seja o setor analisado. A conclusão é do Guia do Mercado Laboral 2020, da empresa de recrutamento especializado Hays.

No caso concreto da banca e dos seguros, o guia de tendências de emprego e salários, considerado um barómetro do mercado de trabalho em Portugal, revela que a oferta salarial é a principal mais-valia para 88% dos inquiridos. Em segundo lugar surge o bom ambiente de trabalho, com 76% das preferências e em terceiro o plano de carreira, com 72%. Muito mais abaixo ficam os benefícios não financeiros, com 53% das respostas e a cultura empresarial, com 51%.

À cabeça dos benefícios mais desejados pelos candidatos para aceitarem uma oferta de trabalho está o  seguro de saúde, desejado por 86% dos inquiridos. Na lista figuram também a flexibilidade de horários, com 62% das respostas, a possibilidade de trabalhar a partir de casa (59%), a formação/certificações (59%) e o automóvel para uso pessoal (41%).

Segundo o Guia, a banca e os seguros está a passar por um momento estável e com perspetivas mais positivas do que em anos anteriores. No entanto, ainda não acompanha o ritmo de crescimento de outros mercados.

Depois de algumas empresas deste setor fazerem mudanças estratégicas, operacionais e das normas e regulações dos últimos anos, o setor da banca e seguros volta a contratar perfis mais juniores para algumas necessidades específicas, que têm demonstrado um crescimento muito positivo, justifica André Vilaverde, manager da Hays.

Em conjunto, seis funções vão movimentar o setor este ano. A saber: analista de risco, comercial corporate, controller, auditor interno, investment analyst e atuário.

A Hays refere ainda que a oferta salarial, “deve permanecer muito semelhante aos últimos anos”, perspetivando-se, no entanto, “um incremento salarial para algumas funções específicas”.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Candidaturas a 51 mil vagas no ensino superior começam hoje

As instituições de ensino superior do Porto poderão ter mais alunos nas áreas das engenharias enquanto em Lisboa o aumento registou-se nas competências digitais, segundo dados disponibilizados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

Fenprof pede mais professores e respeito por carga horária nas universidades

A Federação nacional dos Professores também considera que se deve reduzir o valor das propinas e de revogar o estatuto dos bolseiros de investigação, apontando para a sua integração nas carreiras.

PremiumMecenas financiam projeto de formação de sete milhões de euros

Banco Santander, Vanguard Properties, empresária Ming C. Hsu, Amaral y Hijas, bi4all, família Alves Ribeiro e Fundação José Neves são doadores, revela Pedro Santa Clara, Diretor da 42 ao Jornal Económico.
Comentários