Salário médio dos CEO subiu 1.304% mais do que um trabalhador médio em 40 anos

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.

A disparidade salarial entre presidentes executivos e as respetivas força de trabalho aumentou com o passar do tempo. Desde 1978, os CEOs das principais empresas nos Estados Unidos viram os seus salários aumentarem 1.322%, ante 18% para o salário médio de um trabalhador, segundo um estudo do ‘Economic Policy Institute (EPI)’ revelado pelo “El Economista”.

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.

Regra geral, a disparidade acontece porque “as empresas consideram que têm o melhor CEO e devem ser remuneradas de acordo, ou seja, acima da média, diz Lawrence Mishel, membro do EPI. “A questão é que, se todas as empresas fizerem o mesmo e, são geralmente comparadas entre si, é criado um círculo vicioso em que o salário só pode ser aumentado para continuar a superar o resto”, acrescenta Mishel.

No entanto, a maior parte dos ganhos anuais dos CEOs de grandes empresas não vem dos seus salários, mas de bónus e remuneração na forma de ações. Segundo Mishel, este último representa 85% do valor recebido pelos CEOs.

Tudo isto é resultado de uma série de circunstâncias que nesse período têm favorecido os CEOs, mas não tanto os trabalhadores, entre elas uma ampla gama de capital humano, a globalização, a perda do poder de reivindicações sindicais, as normas trabalhistas enfraquecidas, o aumento das cláusulas de não concorrência e a subcontratação nacional.

O valor de um CEO normalmente está relacionado ao desempenho gerado pelas ações da empresa que lidera. Ao contrário da crença popular, uma remuneração mais alta não significa necessariamente que a empresa terá um desempenho melhor do que os seus concorrentes, como mostrou um relatório de 2016 da MSCI Inc.

Recomendadas

EuroBic com prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre

O EuroBic registou prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre, graças a imparidades de ativos financeiros não mensurados pelo justo valor de 13,5 milhões de euros.

Empresas vão receber mais de 12 mil milhões de euros do PRR e do Portugal 2030

As verbas acumuladas dos dois programas perfazem um acréscimo de 75% face ao que as empresas receberam no Portugal 2020, realçou ainda Nelson de Souza, esclarecendo que, nos próximos quadros de financiamento, vai “haver muito mais incentivos às empresas para a área das alterações climáticas”.

Fidelidade faz parceria de 12 milhões com o Técnico para a construção do centro de inovação

O projeto orçamentado em cerca de 12 milhões de euros e que ocupará a antiga Gare do Arco Cego, em Lisboa vai chamar-se “Técnico Innovation Center, Powered by Fidelidade”.
Comentários