Salários de trabalhadores de topo continuam a subir vincado desigualdade salarial

O relatório da Organização Mundial de Trabalho verificou que os rendimentos de 60% da classe média diminuiu entre 2004 e 2017, de 44,8% para 43%, enquanto o dos mais ricos aumentou de 51,3% para 53,5%.

Um relatório da Organização Mundial de Trabalho (OIT) revelou que 10% dos trabalhadores mundiais recebem quase metade do total dos seus rendimentos, ficando-se pelos 48,9%. A OIT acusa assim que os rendimentos estão a ser mal distribuídos.

Os técnicos responsáveis pelo estudo, a partir de Genebra, revelaram, esta quinta feira, que quem recebe salários baixo fica apenas com 6,4% dos rendimentos totais. Isto significa que 20% dos mais pobres, um número que ronda os 650 milhões de trabalhadores mundiais, recebem menos de 1% da renda global, número que não mudou em 13 anos.

O novo conjunto de dados divulgados pelos técnicos de Genebra revela que a desigualdade dos rendimentos no mundo está a cair desde 2004. Ainda assim, esta diminuição não se deve às reduções na desigualdade dentro dos países, uma vez que esta “está realmente a aumentar”. Esta situação verifica-se “por causa do aumento da prosperidade em grandes economias emergentes, como a China e Índia”, acusa a OIT, sustentando que a desigualdade “continua difundida no mundo do trabalho”.

Com a distribuição da remuneração média entre os países, o relatório verificou que a parte que se destina à classe média, que são cerca de 60% dos trabalhadores, diminuiu entre 2004 e 2017, de 44,8% para 43%. Ao mesmo tempo, os rendimentos dos 20% mais ricos aumentou de 51,3% para 53,5%.

A parte do investimento atribuído ao trabalho caiu de 53,7% em 2004 para 51,4 % em 2017. Steven Kapsos, da OIT, diz que “os dados mostram que as melhorias dos ordenados mais altos são acompanhadas por perdas em todos os outros patamares”, que vão desde a classe média à classe baixa.

Os maiores aumentos salariais foram verificados na Alemanha, a Indonésia, a Itália, o Paquistão, o Reino Unido e os Estados Unidos da América.

O Relatório Trabalho e Remuneração Salarial comparou os salários dos trabalhadores mundiais entre 2004 e 2017, através das estatísticas da OIT, com dados relativos a 189 países. Este relatório propõe dois novos indicadores para avaliar as tendências remuneratórias ao nível nacional, regional e mundial: sendo que o primeiro refere-se ao peso do custo da mão-de-obra no PIB, e o segundo avalia a forma como estes rendimentos são distribuídos pelo mundo.

Ler mais
Recomendadas

Taxas Euribor renovam mínimos de sempre a três e seis meses e sobem a 12 meses

A taxa Euribor a seis meses desceu hoje para -0,350%, novo mínimo de sempre e menos 0,007 pontos que na sessão anterior.

É trabalhador independente? Conheça as novas regras da Segurança Social

Estes colaboradores têm até ao final deste mês de julho para entregar à Segurança Social a declaração de rendimentos correspondente aos últimos três meses (abril, maio e junho).

Afinal, posso ser multado se conduzir de chinelos?

Sendo Portugal um país conhecido pelas suas praias e pelo clima quente, com a chegada do verão a mesma pergunta volta a ser colocada: é ou não permitido conduzir de chinelos de acordo com a lei?
Comentários