Sánchez culpa Podemos e Cidadãos por cenário de novas eleições em Espanha

O líder socialista espanhol, Pedro Sánchez, culpou hoje o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, e o líder do Cidadãos, Alberto Rivera, pela falha de uma solução de Governo, que levará a novas eleições gerais em novembro.

O primeiro-ministro espanhol e líder do PSOE considera que tentou tudo, mas que as “forças conservadoras” e “uma força política de esquerda” tomaram a decisão de “bloquear a formação do Governo que os espanhóis reclamaram”, aproveitando para, perante o cenário de eleições em 10 de novembro, pedir “uma maioria clara”.

“(Pablo) Iglésias vai a caminho de um recorde: é a quarta vez que o Unidas Podemos impede um governo progressista”, afirmou hoje Pedro Sánchez, referindo-se ao falhanço negocial com o seu parceiro de eleição e à necessidade de levar os eleitores espanhóis pela quarta vez às urnas, num período de menos de quatro anos.

Sánchez também não poupou nas críticas o partido de Alberto Rivera, dizendo que o “Cidadãos não é liberal nem do centro”, referindo-se à incapacidade de decisão política deste movimento.

Quase cinco meses depois das eleições legislativas ganhas pelo líder do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), Pedro Sánchez, em 28 de abril último, o país continuava num impasse político, levando hoje o rei de Espanha, Felipe VI, a não o propor como candidato a ser reconduzido como primeiro-ministro, ficando a 48 horas de dissolver o parlamento e marcar novas eleições, em 10 de novembro.

“Pedimos aos espanhóis uma maioria clara em 10 de novembro”, disse hoje o líder socialista, após os fracassos de negociações que duraram várias semanas.

“Tentámos de tudo, mas eles tornaram impossível (uma solução)”, explicou Pedro Sánchez, após mais uma ronda de consultas com o rei e referindo-se ao Unidas Podemos com quem tentou estabelecer condições para uma solução governativa, a quem fez várias propostas, que sucessivas vezes foram recusadas.

“Infelizmente, os conservadores espanhóis têm pouco a ver com os europeus e optaram por desentender-se”, disse Sánchez, a propósito do Cidadãos e da sua incapacidade para entender a utilidade de apoios parlamentares.

Ler mais
Relacionadas

Sánchez sem apoios leva Espanha para novas eleições

Rei de Espanha considera que o líder do PSOE não tem apoios suficientes para assumir uma investidura. Espanha vai ter novas eleições a 10 de novembro.
Recomendadas

Lula da Silva: “Bolsonaro não está a governar, mas a dar autorização para vender o Brasil”

Em entrevista à RTP a partir da prisão, o antigo presidente brasileiro deixa duras críticas à governação do atual chefe de Estado do Brasil.

Eleições Moçambique: Candidato presidencial do MDM apela à transparência

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, Daviz Simango, exortou hoje os órgãos eleitorais a garantirem eleições transparentes e às Forças de Defesa e Segurança a absterem-se de atos de intimidação ao eleitorado.

Eleições Moçambique: CNE fala de “muita participação” do eleitorado na primeira hora

O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique, Abdul Carimo, referiu que a primeira hora de votação nas eleições gerais de hoje registou “muita participação”, sem “grandes problemas”.
Comentários