Sanofi faz acordo de dois mil milhões com empresa norte-americana para criar vacinas

A farmacêutica francesa passa a ter os direitos exclusivos mundiais para desenvolver, fabricar e vender vacinas contra doenças infeciosas utilizando a tecnologia da empresa de biotecnologia Translate Bio, cujas estão a disparar 40%.

A farmacêutica Sanofi informou esta terça-feira que assinou um acordo de 2 mil milhões de dólares (cerca de 1,8 mil milhões de euros) com a empresa norte-americana Translate Bio para desenvolver novas vacinas – inclusive contra a doença causada pelo novo coronavírus.

O acordo, estabelecido através da unidade de negócios Sanofi Pasteur, reforça a presença da multinacional francesa neste mercado e torna-a na quarta maior acionista da Translate Bio, com uma participação de 7,2%. Na prática, ao estenderem esta colaboração, a dupla de empresas vai criar uma gama de vacinas de mRNA (ácido ribonucleico).

A Sanofi passa, assim, a ter os direitos exclusivos mundiais para desenvolver, fabricar e vender vacinas contra doenças infeciosas utilizando a tecnologia da Translate Bio, que permite instruir as células humanas a produzir proteínas específicas que, por sua vez, geram imunidade a uma doença, segundo o comunicado.

Em relação à Covid-19, a Sanofi espera que a sua vacina experimental entre em fase testes clínicos até o final do ano e, caso corram bem, haja aprovação regulatória no segundo semestre de 2021. A farmacêutica de Paris, que prevê ter capacidade de fazer entre 90 milhões e 360 ​​milhões de doses por ano, também está a trabalhar noutra vacina com a britânica GlaxoSmithKline.

As ações da biotecnológica de Massachusetts – que vai receber da Sanofi um pagamento antecipado de 425 milhões de dólares (aproximadamente 375 milhões de euros) estão a disparar 40,42%, para 22,80 dólares, na bolsa de Nova Iorque.

Recomendadas

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

Relatório final da CPI ao Novo Banco com votos contra do PS e sem relator que renunciou

O PS vota contra o relatório final da CPI ao Novo Banco devido às conclusões sobre a venda de 2017 que foram introduzidas na votação da especialidade. Mais de 100 propostas de alteração foram aprovadas. Fernando Anastácio renunciou às condições de relator.

Perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução. Veja a discussão e votação do relatório final da CPI

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução procede hoje à discussão e votação do relatório final. Veja em direto.
Comentários