Santa Casa com lucros de 33,3 milhões de euros em 2018, menos que em 2017

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa registou em 2018 um resultado líquido de 33,3 milhões de euros, menos 9,1 milhões do que o lucro em 2017. Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa, explicou que a queda se deve à alteração da repartição do resultado líquido dos jogos sociais. O Estado recebeu em 2018 receitas do imposto de selo dos jogos sociais no valor de 180 milhões.

Cristina Bernardo

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa registou em 2018 um resultado líquido de 33,3 milhões de euros, menos 9,1 milhões do que o lucro em 2017. Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa, explicou que a queda se deve à alteração da repartição do resultado líquido dos jogos sociais.

Recorde-se que as receitas dos jogos representam 85% das receitas da instituição. Em 2018 somaram 215 milhões de euros, abaixo dos 220,8 milhões de 2017.

As despesas correntes subiram 6,7% para 225,2 milhões e as receitas correntes caíram 3,1% para 253,6 milhões de euros. O que traduz um saldo corrente de 28,4 milhões, menos 44% do que no ano anterior. O saldo corrente subiu 42,2% para 4,8 milhões.

A Santa Casa refere ainda “o saldo justo valor em propriedades de investimento” no valor de 22,1 milhões de euros. Já o arrendamento do património da Santa Casa gerou um aumento de receitas de 0,6% face a 2017, ou 7,1 milhões de euros.

A taxa de execução da despesa global foi de 79% e  taxa de execução da receita global foi de 95%.

À despesa corrente somam-se as despesas de capital (investimento). Em 2018 o investimento foi de 26,9 milhões, muito inferior ao orçamentado, tendo só sido executado 32% do valor orçamentado.

A execução orçamental revela uma taxa de execução de 96% na despesa corrente.

A despesa corrente em 2018 revela uma subida na atividade da ação social. Estas despesas somaram 121,4 milhões, mais 5,9% num ano. Esta atividade representa 53,9% da despesa.

Na saúde subiram as despesas em 7,3% para 55,9 milhões. Na Escola Superior de Saúde do Alcoitão, as despesas subiram 0,7% para 55,9 milhões. A saúde pesa 24,8% da despesa total.

No património registou-se um aumento de 15,4%. A cultura, por seu turno, viu as despesas caírem 5,3%.

A Santa Casa afeta diretamente 78,7% da sua despesa corrente às áreas de Ação Social e Saúde.

A SCML realçou as despesas com pessoal nas despesas correntes. A variação foi de 7,7% ou mais 9,4 milhões de 2017. Devido, entre outros, ao descongelamento e progressões dos trabalhadores com contrato de funções públicas; a integração do novo Acordo Coletivo dos Médicos.

As despesas de pessoal inclui 1,84 milhões inerentes ao Fundo de Pensão da SCML.

Ainda ao nível dos resultados destaque  para a reversão das provisões e imparidades, de 2,2 milhões.

Em termos de investimento a SCML investiu desde 2016 até ao fim do ano passado, 120,7 milhões, dos quais 30,6 milhões em património.

Em 2019 a Santa Casa investiu 26,9 milhões de euros. Mas o investimento em despesa de capital teve 32% de taxa de execução.

A Santa Casa fechou 2018 com um ativo de 837,5 milhões, mais 3,7% num ano, e uma situação líquida de 759,4 milhões, um acréscimo de 4,7%.

Nos jogos, as vendas brutas totalizaram 3.097 milhões e os resultados líquidos somaram 744 milhões de euro.

Os jogos sociais devolveram à sociedade mais de 3 mil milhões de euros (1,5% do PIB) . O que traduz um retorno de 97,5%.

O Estado recebeu em 2018 cerca de 180 milhões de euros de imposto de selo com os jogos sociais.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários