Santander abre candidaturas para 800 bolsas de mérito no ensino superior

Bolsas Santander Futuro 2020/2021 destinam-se a apoiar estudantes universitários com recursos económicos limitados. Período de candidaturas termina a 6 de novembro.

Estão abertas até 6 de novembro as candidaturas para as Bolsas Santander Futuro 2020/2021, destinadas a estudantes universitários com recursos económicos limitados que estejam determinados a prosseguir ou terminar um ciclo da carreira académica.

Podem concorrer alunos inscritos numa das 28 instituições de Ensino Superior, entre universidades e institutos de todo o país que que mantêm parcerias com o Santander Universidades e aderiram ao programa.

Todos os indicadores aumentaram face ao passado: as instituições parceiras (eram 13), as bolsas a conceder aos estudantes e o investimento do Santander. Este ano são mais de 800 as bolsas disponíveis, o que representa um investimento de 550 mil euros da parte do banco.

“As bolsas, num valor que pode ascender a mil euros, têm como objetivo contribuir para uma estabilidade financeira potenciadora de um melhor desempenho escolar dos beneficiários”, destaca o Santander. O mérito escolar é um dos principais critérios, assim como a necessidade de apoio financeiro para os universitários poderem prosseguir os estudos no 1º e 2º ciclo do ensino superior.

Entre os critérios de elegibilidade dos candidatos inclui-se também situação de desemprego comprovado através de registo no IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. A apresentação de prova de situação económico-financeira que conduz o aluno à necessidade da bolsa para prosseguir os seus estudos, assim como o facto de o candidato estar a estudar numa universidade localizada a mais de 50 km da sua residência são outros critérios de elegibilidade.

Recomendadas

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.

Ex-Governador do BdP reafirma que auditora deveria ter comunicado reservas sobre BESA

Carlos Costa afirmou que a garantia soberana emitida pelo Estado angolano remetia para um anexo que nunca foi do conhecimento do Banco de Portugal.
Comentários