Santander escolhido como o “melhor Private Banking”

Pedro Castro e Almeida volta a dizer que “queremos ser o melhor banco e melhorar a experiência do cliente, seja qual for o seu segmento ou as suas necessidades individuais”.

Cristina Bernardo

O Santander foi premiado pela revista Euromoney como o “Melhor Banco em Portugal” na área de Private Banking.

Esta é a oitava vez consecutiva que esta publicação dá o prémio ao Santander Totta.

“O Private Banking do Santander tem um modelo de negócio próprio, através de uma ferramenta inovadora, integrada e utilizada por várias unidades do Banco Santander, que se ajusta aos diferentes perfis e objetivos dos Clientes na gestão do seu património”, explica o banco liderado por Pedro Castro e Almeida.

O Santander venceu o prémio global de “Best Private Banking Services Overall” em Portugal, tendo-se destacado também em outras categorias, entre elas, no segmento Net-worth-specific services (Ultra Hight Net Worth), Tecnologia, Gestão de Ativos, ESG/Investimento em Impacto Social, Serviços de Familly Office e Clientes Internacionais.

Pedro Castro e Almeida, Presidente Executivo do Santander Portugal, refere que “estes prémios são muito importantes, no sentido em que reconhecem a excelência do nosso trabalho, sendo além disso uma motivação extra para continuarmos a inovar e a oferecer um serviço diferenciador no mercado. Queremos ser o melhor banco e melhorar a experiência do cliente, seja qual for o seu segmento ou as suas necessidades individuais”.

Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.

PremiumBanco ‘português’ na Costa do Marfim quer disputar liderança

O grupo BDK, que detém o Banque d´Abidjan, emprega na África do Oeste 532 pessoas, a que se juntam 28 em Lisboa. O banco tem quase metade da rede de balcões do líder no mercado, o Sociéte Generale.
Comentários