Santander Totta avança com 50 mil euros para comprar 50 mil máscaras P2

O Santander Totta associou-se ao movimento tech4COVID19 para apoiar o Projeto Material Hospitalar que pretende dar apoio aos profissionais da saúde através da angariação de equipamentos de proteção individual, ventiladores e testes de despiste à Covid-19.

Para o efeito, o banco liderado por Pedro Castro e Almeida comunicou que vai, nesta fase, contribuir com 50 mil euros para adquiri 50 mil máscaras P2.

O Projeto Material Hospitalar insere-se movimento tech4COVID19 e foi criado por um conjunto de startups tecnológicas nacionais, do qual fazem parte mais de 250 empresas que atuam em diversas áreas. O objetivo do projeto é o de “de criar soluções para ultrapassar os desafios e carências que a sociedade enfrenta face à pandemia do coronavírus”, explicou o banco em comunicado.

O projeto envolve os esforços coordenados de diferentes entidades que atuam no setor da saúde, como o Infarmed, as Administrações Regionais de Saúde, Associação Nacional de Farmácias, Laboratório de Estudos Farmacêuticos e o apoio oficial das Ordens dos Médicos, dos Farmacêuticos e dos Enfermeiros.

“A prioridade imediata desta iniciativa é a entrega de todo o material angariado às Administrações Regionais de Saúde, responsáveis pela distribuição subsequente nas diferentes unidades de saúde em Portugal”, lê-se no documento.

O Santander também se associação à campanha Unidos por Portugal, desenvolvida em parceria pela SIC e pela Federação Portuguesa de Futebol, que tem por objetivo a angariação de fundos destinados à aquisição de material hospitalar, como máscaras e proteção individual para profissionais de saúde, ventiladores e testes de despiste à Covid-19, e equipamentos de proteção individual, como máscaras e gel desinfetante, para organizações sociais em maior necessidade.

Relacionadas

Santander suspende dividendo e Ana Botín reduz salário em 50% devido à pandemia da Covid-19

Banco anunciou que vai criar um fundo de solidariedade de 25 milhões de euros, pelo menos, para combater a pandemia da Covid-19. Este fundo financiado pelas reduções das remunerações dos gestores de topo do banco, bem como pelas contribuições voluntárias dos funcionários do Santander.

Santander também dá carência de seis meses ao crédito à habitação e consumo

Com esta medida, o Santander Portugal permite que as famílias portuguesas não amortizem neste período quase mil milhões de euros de capital. O banco liderado por Pedro Castro e Almeida segue assim a mesma política que já tinha sido anunciada pela CGD e BPI para os particulares.
Recomendadas

“Há bancos que podem ter de vir a realizar aumentos de capital”, alerta Faria de Oliveira

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, defende que a banca é essencial e “vai ter papel decisivo no resgate à economia”. Ainda assim, Faria de Oliveira admite que há bancos que podem ter de vir a realizar aumentos de capital porque, para enfrentar a crise pandémica, a rentabilidade vai diminuir.

Faria de Oliveira: “Novo Banco? Os compromissos de Estado são para cumprir”

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, considera que, sobre os pagamentos do Fundo de Resolução ao Novo Banco, existindo um compromisso escrito através de um contrato, “o não cumprimento em termos de reputação do país é extremamente negativo”.

PremiumNova injeção do Estado no Novo Banco ainda é hipótese

Estão a ser estudadas alternativas para financiar o Fundo de Resolução e garantir a próxima injeção. Sindicato de bancos nacionais é hipótese e inscrição de verba no OE ainda não foi afastada.
Comentários