Santander Totta investe 5,9 milhões e encerra 2016 com 49 parcerias

O banco faz do ensino superior a principal aposta da sua política de responsabilidade social. A parceria com a Nova SBE é de longa data e materializa-se também no Campus com um edifício a que dá nome.

O Santander Totta veste a pele de “parceiro fundador” do novo Campus da Nova SBE. Os 5 milhões de euros de investimento em Carcavelos dão-lhe direito a ter uma infraestrutura com o seu nome: o Santander Totta Hall. Uma ala do Campus com 10 mil m2, que comporta 30 espaços de ensino, entre salas de aula, gabinetes para docentes e investigadores, e áreas comuns de estudo e investigação.
Parceiros de longa data, a Nova School of Business & Economics e o Santander Totta anunciaram, durante uma visita às obras, a celebração de um novo convénio, que reafirma essa mesma ligação.
No total, são já 50 os convénios que o banco tem atualmente com instituições do ensino superior em Portugal, principal foco do seu investimento na área da responsabilidade social. “Elegemos o investimento no ensino superior como a nossa principal área de atuação. De qualquer forma, queria realçar que temos reforçado a atuação do banco nos temas da sustentabilidade e no apoio à sociedade, desenvolvendo projetos em outros eixos como o ensino básico e secundário, o fomento do bem-estar das comunidades em geral, e o meio ambiente e as alterações climáticas”, realçou Inês Oom de Sousa, administradora do Santander Totta, ao Jornal Económico.

O montante a investir na formação, ensino e conhecimento será idêntico ao do ano passado:cerca de 5,9 milhões de euros, revela-nos a gestora. Segundo o Relatório de Sustentabilidade de 2016, o banco investiu nesse ano 6,8 milhões de euros nesta área, dos quais justamente 5,9 milhões foram para o ensino superior. O exercício encerrou com 49 protocolos com universidades e politécnicos, ao abrigo dos quais foram entregues 975 bolsas e prémios, discrimina o documento a que o Jornal Económico teve acesso.

No plano social, o banco colaborou com mais de 80 instituições sociais e ajudou 7.543 pessoas em iniciativas de apoio à comunidade. Destas, 4.145 pessoas beneficiaram de programas de bem-estar social, 2.882 de programas de educação no ensino básico e secundário e 544 de iniciativas de empreendedorismo e criação de emprego.

Inês Oom de Sousa destaca o empreendedorismo e a inovação, a mobilidade e a empregabilidade como as áreas que concentram grande parte do investimento do banco. Os apoios têm como destinatários tanto projetos próprios como projetos desenvolvidos pelas instituições parceiras, caso do Campus da Nova SBE. Entre as iniciativas criadas pelo Santander Totta há que referir, por exemplo, o programa de bolsas de estágios em PME, ou as Bolsas de Mobilidade, que oferecem intercâmbios a alunos e investigadores em países ibero-americanos.

Recomendadas

FCT aprova 400 novos contratos de trabalho a prazo para cientistas

Os contratos de trabalho selecionados – 208 para investigador júnior, 156 para investigador assistente, 35 para investigador principal e 1 para investigador coordenador – têm a duração máxima de seis anos, de acordo com a legislação de estímulo ao emprego científico.

Nelson Ribeiro: “A ideia de que a universidade serve apenas para formar técnicos é algo que me assusta”

Para o diretor da FCH-Católica, o papel da Universidade é inquestionável: formar novas gerações capazes de pensar pela própria cabeça, de inovar e de desenvolver um espírito crítico. Formar apenas técnicos é olhar só para o presente. Sem perspetiva. “Precisamos de formar para o futuro”, diz Nelson Ribeiro, e “construir uma sociedade mais justa e mais inclusiva”.

Mais de 20% dos trabalhadores em Portugal querem receber criptomoedas como benefício extrassalarial

Dois em cada três colaboradores preferem um salário bruto anual de 21 mil euros e 5 mil euros em benefícios do que um salário bruto anual de 25 mil euros, concluiu um estudo da startup Coverflex e da Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas.
Comentários