Sarkozy condenado a três anos de prisão por corrupção ativa e tráfico de influências

O antigo presidente francês foi considerado culpado de corrupção ativa a um magistrado e de tráfico de influências. Foi condenado a três anos de prisão, com dois de pena suspensa.

O antigo presidente francês Nicolas Sarkozy foi considerado culpado de corrupção ativa a um magistrado e de tráfico de influências. O ex-governante foi condenado a três anos de prisão, com dois de pena suspensa, ou seja, apenas um ano de prisão efetiva. A leitura da sentença foi feita esta segunda-feira no Tribunal de Paris, avança a imprensa internacional.

O Ministério Público francês acusou Sarkozy de ter subornado um juiz de Marselha, e com intermediação do seu advogado, para receber informações de uma outra investigação onde era visado. A acusação tinha pedido uma pena de quatro anos, dois dos quais de prisão efetiva.

Sarkozy torna-se assim no segundo presidente francês a ser condenado por um tribunal francês. O primeiro foi Jacques Chirac, que foi condenado em 2011 por desvio e uso indevido de fundos públicos quando era presidente da Câmara de Paris. Chirac foi o primeiro chefe de Estado francês a ser julgado desde que o marechal Philippe Pétain foi considerado culpado de traição no final da Segunda Guerra Mundial por colaborar com a Alemanha nazi.

Recomendadas

Tribunal de Contas deteta “persistentes vulnerabilidades” no combate aos incêndios rurais

Entre diversas falhas e atrasos identificados, a auditoria do Tribunal de Contas alerta que se aproxima o termo do contrato vigente em relação ao SIRESP e se antevêem alterações no modelo tecnológico e de gestão que urge definir.

Luís Aguiar-Conraria: “Valor acrescentado que os economistas podem dar é uma forma racional de olhar para os problemas”

O economista Luís Aguiar-Conraria lançou o livro “A Culpa Vive Solteira” e em entrevista nesta “Fast Talk” explica como aplica os instrumentos típicos do estudo económico para analisar as principais questões da nossa sociedade

“É lamentável que o caso Marquês tenha sido usado para um ajuste de contas”, diz Mariana Mortágua

“A interpretação que o juiz Ivo Rosa agora usou para deixar cair as acusações do Ministério Público a José Sócrates já foi utilizada pelo próprio Ministério Público no processo de Paulo Portas relativo aos submarinos”, sublinhou a deputada do BE. 
Comentários