Saúde: cinco lições para 2022

A taxa de vacinação demonstra a literacia em Saúde dos portugueses. Mas podemos fazer mais e melhor. E a escola é o local ideal para, desde cedo, se iniciar um tipo de formação mais avançada nesta matéria.

Aproximando-se 2022, Portugal deve aprender as lições da pandemia pela Covid-19, sobretudo no setor da saúde.

A primeira lição é a importância da educação para a saúde e a necessidade de incrementar os níveis de literacia da sociedade nesta área. Não que os Portugueses não tenham demonstrado, em geral, um elevado nível cívico comparativamente a outros povos europeus. A taxa de vacinação demonstra isso mesmo. Mas podemos fazer mais e melhor. E a escola é o local ideal para, desde cedo, se iniciar um tipo de formação mais avançada nesta matéria. Até porque a literacia em saúde tem externalidades muito positivas noutros domínios como a promoção de estilos de vida saudáveis. Por exemplo, a nível da alimentação ou da prevenção do tabagismo.

A segunda lição a extrair é melhorar significativamente o desempenho a nível da comunicação em saúde. Foi confrangedor assistir a algumas intervenções de responsáveis do setor chegando mesmo o Presidente da República, por vezes, a antecipar medidas de saúde pública inevitáveis como o uso de máscara em espaços públicos. Esta falha de comunicação, para além da gravidade em si mesma, abriu o espaço público a um número infindável de “analistas políticos da saúde”, por vezes disfarçados de peritos, gerando enorme confusão junto da sociedade. Ou seja, é importante criar uma estrutura credível e respeitada para comunicar a evidência científica de um modo firme e convincente.

Outra lição da maior importância no plano político e social é a qualidade da gestão em saúde. Aprendamos de uma vez que é necessário melhorar a cultura organizativa nesta área. É certo que o programa de vacinação Covid-19 foi um êxito do qual todos nos podemos orgulhar. É certo o extraordinário papel dos profissionais de saúde nesta campanha, com especial relevo para os enfermeiros que com dedicação e profissionalismo cumpriram a sua missão na vacinação maciça dos portugueses. Mas também é certo que foi a disciplina e a organização militares – superiormente interpretadas pelo Vice-Almirante Gouveia e Melo – que permitiram a sua concretização. Pelo que a lição a tirar é melhorar a formação dos gestores na área da saúde, nomeadamente em matéria de liderança.

A quarta lição refere-se à necessidade de planeamento estratégico. O planeamento a nível de instalações e equipamentos, mas, sobretudo, de recursos humanos é essencial. A União europeia percebeu isso criando infraestruturas à escala europeia e constituindo uma reserva estratégica de medicamentos e dispositivos médicos para não ficar refém de nenhuma potência estrangeira. Mas, a nível dos recursos humanos, a tarefa tem que ser a nível do Serviço Nacional de Saúde. Pelo que é necessário planear a médio prazo (pelo menos uma década), e com rigor técnico, as necessidades futuras. O que parece não estar a acontecer. É incompreensível, por exemplo, o desconhecimento da importância da medicina geral e familiar, e do papel central dos cuidados de saúde primários. Esta lição não foi aprendida.

A última lição prende-se com a proteção dos direitos humanos tal como a privacidade individual. Apesar de terem sido implementadas importantes medidas de saúde pública, com inegável impacto económico e social, como o confinamento, o certificado verde digital, ou a vacinação de crianças e jovens, é preciso promover um debate sério na nossa sociedade entre direitos individuais e responsabilidade social. Para que no futuro existam linhas de orientação claras e inequívocas sobre como proceder em situações limite promovendo a democracia e os direitos humanos, mas também os deveres de cidadania.

Ou seja, em 2022, esperamos nós na fase pós-pandémica, a política de saúde deve ser reenquadrada à luz da experiência de quase dois anos de uma catástrofe global sem precedentes, mas que tem que obrigatoriamente nos deixar mais fortes e mais bem preparados.

Recomendadas

Elas na construção das cidades

Em Portugal, o coletivo de ativistas Mulheres na Arquitectura tem tido um papel relevante no combate à invisibilidade das mulheres na profissão. Não se trata apenas de uma visão feminista da sociedade. O problema é político.

Metaverso

É uma das palavras de 2021. É um movimento provavelmente imparável, também acelerado pela pandemia.

Rio: populista ‘responsável’ e politico ‘antipolítico’

Rio é o líder da direita que diz não ser de direita, o político profissional que tenta parecer ‘antipolítico’ e o populista que demonstra sentido de Estado.
Comentários