Saúde e tecnologia juntam-se a pós-graduações em “gestão geral”

A nova onda de necessidades criada pela pandemia de Covid-19 veio reformular vários aspetos do quotidiano, principalmente a nível profissional, redirecionando, em alguns casos, a procura dos candidatos para outras temáticas.

A procura por pós-graduações nas áreas da saúde e das TI disparou, com uma tendência palpável para as pessoas que procuram adaptar-se o mais rapidamente possível às novas realidades profissionais, segundo as principais escolas de negócios ouvidas pelo Jornal Económico. Ainda assim, as pós-graduações ditas “tradicionais” em gestão continuam em destaque, uma vez que também aqui a pandemia alterou as necessidades das empresas e dos seus projetos a médio e longo prazo.

No caso da Nova SBE, as pós-graduações em “gestão geral” continuam a ser as mais procuradas. No entanto, as especializações em saúde, marketing, supply chain, pessoas e talentos e em inovação e empreendedorismo também ganharam destaque. Segundo Susana Ferreira, Marketing and Communications Director da Nova SBE, estas especializações “caracterizam-se por terem uma jornada de aprendizagem inovadora, com um bloco inicial comum dedicado aos Fundamentos de Gestão que, para além de proporcionar um momento de networking extraordinário, permite nivelar os conhecimentos básicos de gestão dos participantes, sempre com a preocupação de adaptar os módulos e as abordagens ao contexto atual. E, numa segunda fase, a jornada evolui para a área específica de cada pós-graduação”.

A Porto Business School (PBS) é outra das instituições onde a pandemia potenciou a procura nas áreas da saúde e TI. Segundo Patrícia Teixeira Lopes, Associate Dean da PBS, existe uma tendência para “a procura de cursos que permitam um shift total da carreira”, como são os casos da gestão em direção de serviços da saúde, maioritariamente procurada por “profissionais das áreas da saúde que visam enveredar por funções de gestão, e a pós-graduação em direção de empresas dirigida a backgrounds académicos fora das áreas da gestão e que confere todas as ferramentas necessárias para a assunção de funções de gestão ou criação do próprio negócio”. Por outro lado, a evolução da tecnologia fez com que, também aqui, a procura por especializações em TI registasse um crescimento considerável, caso das pós-graduações em Business Intelligence and Analytics, em Controlo de Gestão, em Gestão de Projetos, em IT Management e em Internacionalização.

No ISEG, o programa de gestão empresarial continua a ser um dos mais procurados. Segundo Luís Cardoso, Presidente do ISEG Executive Education, a pós-graduação é tendencialmente “frequentada por profissionais oriundos de outras áreas de formação, como engenheiros, advogados, juristas, arquitetos, sociólogos ou áreas afins”. A instituição revela que, à semelhança das suas congéneres, a procura por especializações em TI também cresceu, com destaque para as pós-graduações em marketing digital e data science e ainda business analytics que, segundo Luís Cardoso, “respondem a uma necessidade muito concreta de aquisição de competências numa área crucial para o presente e futuro das empresas e organizações”.

A Coimbra Business School, através do seu presidente, Pedro Costa, afirma que as necessidades atuais “estão relacionadas com as respostas necessárias ao atual contexto pandémico e, também, à preparação de soluções económicas e sociais para o pós-pandemia”. Nesse sentido, as especializações mais procuradas são todas as que estejam relacionadas com as ciências empresariais: gestão, contabilidade, auditoria, direção comercial, marketing digital, entre outras, incluindo também as áreas de TI.

Em relação ao ISCTE, a instituição refere que nos últimos tempos assiste a um crescimento da procura por especializações “em tudo quanto é digital”. José Carvalho, presidente do ISCTE Executive Education, sublinha que “por razões históricas, e porque temos recursos muito bons na área da gestão em saúde, temos conseguido fazer valer esta como uma área de eleição”. Acrescentam-se as pós-graduações em finanças, turismo e imobiliário entre as mais procuradas.

A Católica Lisbon School of Business & Economics vai ao encontro das tendências atuais e aponta a pós-graduação de gestão em saúde como uma das mais procuradas. A gestão para a indústria farmacêutica também tem motivado bastante interesse, assim como a especialização em gestão de equipas e projetos. Céline Abecassis-Moedas, Diretora da Formação de Executivos da Católica Lisbon School of Business & Economics, afirma que “cada vez mais vemos uma procura por soluções reais para os problemas prementes das empresas, e dos maiores desafios que cada um enfrenta no seu dia a dia neste contexto tão peculiar, procurando uma referência que dê segurança no investimento que fazem e no conhecimento adquirido”. As novas tecnologias são também um dos aspetos em foco pela instituição que sublinha a importância de estar em sintonia com a atualidade, através da pós-graduação em gestão estratégica e liderança que, segundo Céline Abecassis-Moedas, permite aos decisores “a definição de um rumo de prosperidade com propósito e responsabilidade”.

Ler mais
Recomendadas

Erasmus+: 26 mil milhões para apoiar mobilidade estudantil

Apresentado pela Presidência Portuguesa da União Europeia, o novo Erasmus+ quase duplica o orçamento anterior. Inclusão, digital e sustentabilidade são as novas áreas de aposta. Portugal quer triplicar o número de beneficiários do programa em 2021|27.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.

Metade dos jovens portugueses não distingue opinião de facto na Internet, conclui estudo da OCDE

“Menos de metade dos jovens não distingue factos de opiniões. Antes, os jovens liam na enciclopédia e sabia-se que o que estava lá escrito era verdade. Agora procuram informação na internet” alertou o diretor da OCDE para a Educação, Andreas Schleider.
Comentários