SBN aceita proposta de mediação da DGERT para aumentos salariais de 2018 no BCP

O Sindicato dos Bancários do Norte apelou à intervenção Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) para mediar as conversas com o banco para ultrapassar o atual impasse. Mediadora da DGERT propõe agora, com efeitos a 1 de janeiro de 2018, uma atualização da tabela salarial entre 0,5% e 0,75%.

Millennium Bcp

O Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) que apelou à intervenção Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) para mediar as conversas com o BCP para ultrapassar o atual impasse da atualização salarial no banco. O SBN revela que que acaba de aceitar a proposta de mediação enviada pelo Ministério do Trabalho relativa aos aumentos salariais no BCP respeitantes a 2018.  Já o Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas recusa processo de conciliação e quer continuar a negociar com o banco e chegar a acordo relativamente ao aumento da tabela salarial e cláusulas de expressão pecuniária.

Em comunicado, o SBN recorda que “face à recusa do BCP de negociar e acordar a atualização das tabelas salariais e cláusulas de expressão pecuniária para 2018, o SBN requereu à DGERT a promoção da conciliação”.

Na conciliação ocorrida na DGERT, no Porto, o BCP manteve a sua intransigência e, por isso, o SBN requereu a mediação ao Ministério do Trabalho na sequência do impasse da negociação de revisão salarial numa altura em que o setor já conclui há largos meses a revisão da tabela salarial do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), com aumentos médios de 0,75% com os sindicatos a reclamarem que redução de salários dos trabalhadores cessou em julho de 2017, mas ainda continua por devolver a soma dos valores retidos.

Em documento agora enviado ao SBN, o sindicato avança agora que a mediadora da DGERT propõe, com efeitos a 1 de janeiro de 2018, uma atualização da tabela salarial de 0,75% para os níveis 1 a 6 e de 0,5% para os níveis 7 a 20, um acréscimo de 0,5% para as demais cláusulas de expressão pecuniária e o aumento do subsídio de refeição para 9,50 euros.

“Apesar dos aumentos propostos ficarem muito aquém do que seria justo e razoável pretendemos dar um sinal no sentido de desbloquear a negociação coletiva, permitindo assim, o desenvolvimento positivo e a conclusão das negociações em curso para 2019”, refere Mário Mourão, presidente do SBN.

Recorde-se que no âmbito da Febase – Federação do Sector Financeiro que integra os sindicatos verticais -, os Sindicatos foram confrontados com um pedido de conciliação do processo negocial do BCP, apresentado pelo SBN. Em junho, o SBSI manifestou-se contra, deixando claro que não desiste de tentar chegar a acordo com o banco relativamente ao aumento da tabela salarial e cláusulas de expressão pecuniária.

No início de maio, o SBN revelou, por sua vez, que “não vai abdicar de exigir o pagamento imediato das atualizações salariais referentes a 2018 para os trabalhadores do BCP”. E deu conta que ”para o efeito, foi solicitada a intervenção da DGERT para que, através da conciliação, seja possível ultrapassar o atual impasse”.

Na altura, o SBN recordou que a proposta sindical para a revisão do ACT já foi apresentada em janeiro de 2018, reforçando que o BCP ainda não tinha apresentado resposta escrita, como prevê a lei.

“Por carta de 25 de janeiro, o SBN reclamou ao BCP a conclusão e aplicação da revisão da tabela salarial e cláusulas pecuniárias, com efeitos desde janeiro de 2018”, referiu, na altura, o SBN o comunicado, acrescentando que  foi realizada, em 15 de abril, uma nova reunião com o BCP, em que participaram também o SNQTB e o SIB, “mas o impasse manteve-se em relação às atualizações reclamadas para 2018”.

O SBN afirma não abdicar das atualizações salariais com efeitos a 2018 e não se conforma com o impasse do processo negocial, exigindo o pagamento imediato de, pelo menos, os aumentos acordados com a APB (Associação Portuguesa de Bancos) sem prejuízo da continuação das negociações para a revisão do ACT- BCP.

Para o SBN ”o impasse nas negociações para 2018 representa uma verdadeira recusa do BCP de cumprir o dever de negociar, o que é tanto mais inadmissível quanto é certo que a última revisão do ACT – Acordo Coletivo de Trabalho – para o Grupo BCP já foi publicada há mais de 2 anos, sem aumentos salariais, pelo que os trabalhadores do BCP se encontram sem atualizações salariais desde janeiro de 2010, com a agravante de ter havido redução das condições retributivas em 2014”.

Ler mais
Relacionadas

Sindicato dos Bancários do Norte pede desbloqueio da contratação coletiva no BCP

O sindicato enviou uma carta à administração do banco liderado por Miguel Maya a exigir celeridade nas negociações sobre a revisão da tabela salarial e cláusulas pecuniárias de 2019.
Recomendadas

Revolut ultrapassa um milhão de clientes na Península Ibérica. Em Portugal há meio milhão

Em Portugal são já mais de 500 mil os clientes, enquanto em Espanha o valor já ultrapassou os 600 mil utilizadores.

APB anuncia Sertã e Loures como vencedoras da Final Nacional do European Money Quiz 2020

A APB associa-se a esta iniciativa pelo terceiro ano consecutivo. Participaram na edição de 2020 cerca de 2 mil alunos do ensino básico, oriundos de 48 escolas de todo o país, incluindo ilhas.

PremiumFundo de Resolução responde a pedido do Bloco de Esquerda na próxima semana

O partido pediu o contrato de venda do Novo Banco, a resposta deverá ser enviada na próxima semana. Há seis contratos na venda.
Comentários