SDM estranha conclusões da investigação de Bruxelas sobre a Zona Franca da Madeira e sugere que o Estado português recorra para os tribunais

Recorde-se que a Comissão Europeia concluiu que o Regime III da ZFM beneficiou empresas de forma indevida, uma vez que não criaram emprego na ilha da Madeira, nem têm atividade naquela região.

A SDM – Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, que gere a Zona Franca da Madeira (ZFM) está surpreendida com as conclusões do processo de investigação da Comissão Europeia sobre o funcionamento da ZFM, divulgadas publicamente hoje, dia 4 de dezembro, e ‘sugere’ que o Estado português recorra das mesmas para os tribunais europeus e nacionais.

“A decisão divulgada pela Comissão Europeia (CE) é surpreendente pelo conteúdo e ‘timing’. A CE  certamente não ponderou na sua decisão as observações remetidas por mais de 100 partes interessadas, entidades públicas e privadas, coletivas e singulares, nacionais e estrangeiras, no âmbito deste processo e nos termos do Tratado de Funcionamento da União Europeia, que, em uníssono, se pronunciaram contra a interpretação inicial da CE (que ia no mesmo sentido desta ora divulgada). Tal ocorreu em Maio de 2019 e jamais tivemos conhecimento publico de qualquer evolução do processo em apreço”, sublinha um comunicado da SDM, cujos acionistas são o Governo Regional da Madeira e o Grupo Pestana.

Recorde-se que a Comissão Europeia concluiu que o Regime III da ZFM beneficiou empresas de forma indevida, uma vez que não criaram emprego na ilha da Madeira, nem têm atividade naquela região.

“A decisão apenas respeita apenas às empresas do Regime III, que acaba a 31 de Dezembro de 2020, e não as do Regime IV que vigorará até 31 de Dezembro de 2027, cuja prorrogação, por conseguinte, não poderá ser posta em causa”, defende lo referido comunicado da SDM.

Os responsáveis da SDM criticam: “A decisão não identifica quais e quantas são as empresas que, eventualmente, não cumpriram com as regras estabelecidas para o desenvolvimento das suas atividades no âmbito do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM), daqui resulta que é difícil, nesta fase, aferir qual a dimensão do impacto concreto desta decisão no CINM e na economia da Madeira, provocados por esta tomada de posição da Comissão Europeia”.

“Em todo o caso, a decisão da Comissão Europeia é sindicável judicialmente, nomeadamente, junto do Tribunal de Justiça da União Europeia e dos tribunais administrativos e fiscais portugueses, pelas entidades que com a mesma não concordem”, sugere a SDM, enviando um recado para o Governo da República no sentido de contestar estas conclusões por via judicial.

O comunicado em questão sublinha que “a SDM sempre defendeu e defende o escrutínio e controlo por parte da Comissão Europeia e das autoridades nacionais das empresas do CINM no sentido de assegurar o maior rigor e transparência do Regime e que eventuais situações de incumprimento sejam, efetivamente, apuradas e punidas, tal como acontece com qualquer outro contribuinte português”.

Finalmente, recorde-se que o papel da SDM é o de promover as três áreas de atividade do Centro Internacional de Negócios da Madeira e que a fiscalização de todas as atividades desenvolvidas no seu âmbito cabe às entidades nacionais competentes para o efeito”, conclui o comunicado da SDM.

Ler mais

Relacionadas

Governo da Madeira discorda de relatório da Comissão Europeia sobre Zona Franca

O presidente do Governo da Madeira acusou as praças financeiras concorrentes da Zona Franca de estarem sempre a deitar abaixo a praça financeira da região, clarifica que a região tem prestado todos os esclarecimentos às instâncias europeias, e disse que a Zona Franca é auditada pelas autoridades nacionais e internacionais.

Bruxelas conclui que Zona Franca da Madeira desrespeitou regras e reclama recuperação de ajudas

Na sequência de uma investigação aprofundada lançada já em 2018, o executivo comunitário anunciou hoje ter concluído que “a implementação do Regime III da Zona Franca da Madeira em Portugal não está em linha com as decisões de ajudas de Estado da Comissão”, pois “o objetivo da medida aprovada era contribuir para o desenvolvimento da região ultraperiférica da Madeira através de incentivos fiscais”, dirigidos exclusivamente a empresas que criassem postos de trabalho na região, o que concluiu não se ter verificado.
Recomendadas

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Recuperação da economia portuguesa não acompanhará ritmo da europeia

A recuperação da economia portuguesa após a crise pandémica “deverá acompanhar apenas temporalmente a recuperação europeia, mas não o seu ritmo”, segundo o relatório trimestral da consultora SaeR (Sociedade de Avaliação de Estratégia e Risco) divulgado esta sexta-feira.

PremiumPrograma Apoiar vai dar mais subsídios

Um dos principais mecanismos no combate às consequências sociais e económicas da pandemia, o programa Apoiar.pt foi agora reforçado e incluirá mais subsídios a fundo perdido, revelou o ministro do Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, nesta quinta-feira.
Comentários