Se faz compras e tem mais de 50 anos está oficialmente a ditar tendências

O consumidor de faixas etárias mais elevadas está a mudar e tem vindo a merecer cada vez mais atenção por parte do setor de bens de consumo.

Neil Hall/Reuters

A inovação é hoje o elemento-chave para contornar fatores externos ao consumidor como são o caso das taxas e dos impostos especiais sobre o consumo. Além da inovação, também o consumo sénior, as compras online, a conveniência e a personalização perfilam-se como principais tendências do Grande Consumo para 2018 identificadas pela Centromarca na 6.ª Edição do ‘Marcas+Consumidores’ preparada pela Kantar Worldpanel.

Por outro lado, a tendência negativa para o consumo ‘dentro de casa’, mostrando o quanto os portugueses apostaram mais no consumo ‘fora de casa’;bem como a identificação dos canais de proximidade e conveniência como sendo os mais dinâmicos em Portugal e a nível mundial, também constam entre as principais conclusões alcançadas neste estudo.

Ainda sobre o perfil do consumidor, Pedro Pimentel, diretor-geral da Centromarca, explica que o consumidor de faixas etárias mais elevadas está a mudar e que tem vindo a merecer cada vez mais atenção por parte do setor de bens de consumo: “É uma faixa de consumidores especial, fiel às marcas, mas a descobrir paulatinamente as Marcas de Distribuidor. Por esta razão, as marcas não podem descurar um tipo de target cada vez mais relevante aquando do desenvolvimento das suas estratégias de negócio e da comunicação dos seus serviços e produtos”.

Mais exigentes, preferem ‘fora de casa’

O crescimento difícil no mercado FMCG foi apenas compensado pela época de Natal. Segundo os dados trabalhados pela Kantar Worldpanel, cerca de 79% dos portugueses passaram o Natal em casa, o que levou à compra de uma maior quantidade de produtos a cada ida ao supermercado. Ainda assim, o setor mostrou uma evolução positiva em relação ao ano anterior quando analisadas apenas as faixas etárias mais elevadas: entre os 50 e os 64 anos, registou-se um crescimento de 1,6% em termos de ocasiões de compra; a faixa etária a partir dos 65 anos apresentou um crescimento de 2,6%.

A análise feita pela Kantar Worldpanel mostra que os canais conhecidos pela proximidade e conveniência são já uma tendência à escala global. Em Portugal, o mercado FMCG apresentou uma evolução de 4,5% em valor no online e de 7,4% nas lojas de baixos preços, chamadas ‘discount’. Neste segmento, Aldi e Lidl são as lojas mais dinâmicas e atrativas de 2017 – com uma evolução de 3% em volume –, embora desenvolvam estratégias de mercado distintas. Enquanto a aposta do Lidl recai na marca própria, o Aldi promove de forma crescente a marca de fabricante.

 

 

Recomendadas

Que operações posso fazer no meu banco online?

Fique a saber neste vídeo da Associação Portuguesa de Bancos como funciona o site ou app do seu banco e todo o tipo de operações bancárias que pode fazer online de forma simples e segura, neste vídeo promovido pela Associação Portuguesa de Bancos, no âmbito do programa de literacia digital “Tudo o que precisa de saber sobre banca online”.

Black Friday. Televisões e smartphones são os produtos mais adquiridos pelos portugueses

Nas primeiras doze horas da Black Friday as regiões de Lisboa e Porto são as que estão a registar uma maior corrida às compras pelos consumidores seguidas por Setúbal, Aveiro, Braga e Coimbra.

Compra ou permuta de casa: qual escolher?

Uma permuta de casa consiste numa troca de imóveis, podendo ser uma solução para quem já é proprietário e pretende comprar outra casa. Saiba mais.
Comentários