Seca, escassez de água e poluição no topo das preocupações ambientais dos portugueses

As secas e cheias frequentes, a escassez de água potável e a poluição de rios, lagos e águas subterrâneas estão no topo das preocupações ambientais dos portugueses, segundo um inquérito Eurobarómetro divulgado hoje.

O estudo mostra que apenas um quarto dos portugueses (26%) aponta o combate às alterações climáticas como prioridade para a atividade do Parlamento Europeu (PE), elegendo antes o “combate à pobreza e exclusão social” e a “melhoria dos direitos dos consumidores e a qualidade e acesso aos serviços de saúde de todos os cidadãos”.

No conjunto dos 28 Estados-membros, o combate às alterações climáticas é apontado como primeira prioridade para o PE por 32% dos inquiridos, mais do que qualquer outra área política.

Mas quando são questionados especificamente sobre questões ambientais, os portugueses partilham da posição dos restantes europeus, com mais de metade (52%) a apontar as alterações climáticas como a mais importante, percentagem igual à registada no conjunto dos 28.

Seguem-se a “escassez de água potável”, a segunda mais apontada pelos portugueses (41%), a “poluição do ar” e a “poluição dos rios, lagos e águas subterrâneas”, apontadas ambas por 38% dos inquiridos, e as “secas e cheias frequentes”, por 31%.

No conjunto dos 28, as questões que mais preocupam são, depois das alterações climáticas, a “poluição do ar” (35%), a “poluição marinha” (31%), a “quantidade crescente de resíduos (28%) e a “desflorestação”, também com 28%.

Por outro lado, dois terços dos portugueses consideram que os protestos liderados por jovens contribuem para a adoção de medidas políticas de combate às alterações climáticas tanto no seu próprio país (66% como no conjunto da União Europeia (68%).

A posição é defendida sobretudo por jovens entre os 15 e os 24 anos (68%) e dos 25 aos 39 (71%) e entre os estudantes (82%).

O Eurobarómetro foi feito com base em 1.007 entrevistas presenciais a portugueses, 27.607 no conjunto dos 28 Estados-membros da UE, realizadas entre 08 e 21 de outubro.

Ler mais
Relacionadas

Ministro do Ambiente desvaloriza queda de Portugal em índice de desempenho ambiental

O ministro do Ambiente desvalorizou hoje em Madrid a queda de Portugal no ‘índice de desempenho das alterações climáticas’ divulgado na COP25, considerando que “são dados de 2017”, um ano em que houve uma grande seca.

Dragagens no Sado geram ações judiciais, providências cautelares, requerimentos, petições na AR e manifestações

As obras deverão iniciar-se esta semana, mas a onda de contestação está a crescer, devendo chegar à Assembleia da República na próxima semana.

COP25: Portugal cai oito posições no Índice de Desempenho das Alterações Climáticas

Portugal caiu oito lugares no Índice de Desempenho das Alterações Climáticas (CCPI na sigla original), com o desempenho do país a descer em quase todas as categorias, segundo o “Índice 2020” hoje divulgado.
Recomendadas

“Agricultores foram excecionais durante o período inicial da pandemia”, afirma Marcelo

O Presidente da República marcou presença na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’ onde aproveitou para enaltecer o papel que o setor agrícola desempenhou durante o confinamento provocado pela pandemia do coronavírus.

Covid-19: Sobe para 45 número de infetados associados a surto em lar de Ourique

O primeiro caso positivo de covid-19 no lar da aldeia de Santa Luzia, o de uma idosa de 85 anos, tinha sido detetado no dia 13 deste mês, após um teste realizado pela utente devido a “um episódio hospitalar de urgência” no hospital de Beja, onde acabou por ficar internada.

“Graças à inovação na agricultura, Portugal reduziu em 400 milhões o seu défice alimentar”, diz António Costa

O primeiro-ministro esteve presente por videoconferência na apresentação do ‘Ambição Agro 2020-30’, e fez questão de frisar que a agricultura é uma atividade virada para o futuro e não do passado.
Comentários