Secretário da Cultura brasileiro vai ser afastado do cargo depois de citar discurso de propaganda nazi

O secretário da Cultura brasileiro fez um inspirado nas palavras de Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler.

O secretário da Cultura brasileiro foi demitido esta sexta-feira depois de se ter inspirado num discurso do ministro da propaganda de Adolf Hitler, Joseph Goebbels.

O governante inspirou-se neste dicurso para divulgar um concurso, o Prémio Nacional das Artes, lançado horas antes com a participação do Presidente da República, Jair Bolsonaro.

“A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo – ou então não será nada”, disse Roberto Alvim, que publicou um vídeo do discurso nas redes sociais.

A frase foi comparada a um discurso de Goebbels reproduzido no livro “Goebbels: a Biography“, de Peter Longerich: “A arte alemã da próxima década será heróica, será ferramenta romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”.

Segundo a notícia avançada pela Folha de S. Paulo, a secretaria Especial da Cultura informou que o secretário Roberto Alvim será demitido do cargo após parafrasear o polémico discurso.

A demissão foi conhecida hoje após a repercussão do caso e contestações políticas e públicas.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano

A diretora-geral do FMI admitiu que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus.

Governo dos EUA exige libertação de tio de Juan Guaidó

Washington acusa Caracas de “inventar provas”, e que vai responsabilizar diretamente Nicolás Maduro pelo que acontecer a Juan Guaidó e à sua família.

Irão quer levar caso do assassínio de general iraniano às instâncias internacionais

O responsável pelo poder judiciário no Irão, Ebrahim Raisi, disse hoje que está a trabalhar com o Iraque para levar às instâncias internacionais o caso do assassínio de Qassem Soleimani.
Comentários