Secretário de Estado norte-americano modera declarações sobre o Irão

Em visita aos Emirados Árabes Unidos, Mike Pompeo surgiu inesperadamente a tentar fazer baixar a tensão com o Irão. Por outro lado, Abu Dhabi parece estar a testar uma aproximação ao Irão, ao mesmo tempo que se afasta dos sauditas.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse na esta quinta-feira em Abu Dhabi que o seu país prefere “uma solução pacífica” com o Irão, sobre cuja responsabilidade nos ataques no sábado passado contra o coração da indústria petrolífera saudita disse que há consenso no país. As suas palavras implicam uma mudança de tom em relação à tensão inicial que descreve a agressão como um “ato de guerra” e mostram que nem Washington nem seus aliados têm vontade de entrar em conflito.

“Ainda estamos a esforçar-nos para formar uma coligação num exercício de diplomacia, quando o ministro das Relações Exteriores do Irão ameaça com uma guerra total”, disse Pompeo após encontrar-se com um homem forte dos Emirados Árabes Unidos e herdeiro de Abu Dhabi, príncipe Mohamed Bin Zayed .

O chefe da diplomacia norte-americana referiu-se às declarações de Mohammad Javad Zarif à cadeia CNN, onde havia dito que se os Estados Unidos ou a Arábia Saudita atacassem o Irão, desencadeariam “uma guerra total”. Zarif acrescentou que o seu país não quer a guerra, mas que não hesitará em defender-se.

“Estamos aqui para formar uma coligação com o objetivo de alcançar a paz e uma solução pacífica”, insistiu Pompeo, dando voz ao último comentário do presidente Donald Trump no Twitter. “Espero que a República Islâmica do Irão veja as coisas da mesma maneira”, disse.

A dura reação inicial dos Estados Unidos após o ataque às instalações da Aramco fez temer uma resposta militar. Pompeo foi o primeiro a acusar o Irão sem ambiguidade e embora os rebeldes huthis do Iémen assumissem a responsabilidade , Washington e Riyadh insistiram na culpa do Irão.

Os Emirados Árabes Unidos já iniciaram uma mudança discreta em na política regional após a sabotagem de vários navios-tanque nas suas águas territoriais ou nas imediações. Ao contrário dos Estados Unidos ou da Arábia Saudita, os responsáveis dos Emirados ​​evitavam acusar diretamente o Irão – e nos últimos tempos enviaram mesmo duas delegações diplomáticas, enqtanto que reduziam a sua participação no conflito no Iémen, ao lado da Arábia Saudita na coligação que luta contra os huthis.

Pompeo chegou a Abu Dhabi de Yeddah, sede do governo saudita durante o verão, onde se encontrou à noite com o o príncipe Mohamed Bin Salman. Ambos “concordaram que o regime iraniano deve ser responsabilizado por seu comportamento agressivo, imprudente e ameaçador”, resumiu a porta-voz do Departamento de Estado Morgan Ortagus.

Entretanto, a ONU anunciou a chegada na Arábia Saudita de uma equipe de especialistas para investigar o ataque às instalações de petróleo, em resposta a um pedido de Riad.

Ler mais
Recomendadas

Rendas congeladas por cinco anos em Berlim para combater ‘boom’ imobiliário

O acordo entre os sociais-democratas do SPD, os Verdes e o Partido de Esquerda (Die Linke) permitem que o presidente da Câmara de Berlim, Michael Mueller, coloque o plano em vigor já no primeiro trimestre de 2020, após aprovação autárquica.

Restos mortais do ditador espanhol Francisco Franco trasladados na quinta-feira

Os restos mortais do ditador espanhol Francisco Franco serão trasladados na quinta-feira da Basílica do Vale dos Caídos, em Madrid, para o cemitério Pardo, nos subúrbios da capital espanhola, anunciou hoje o Governo.

Equipa de resgate procura quatro espeleólogos portugueses em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água.
Comentários