Secretário norte-americano da Defesa em Israel para debater o Irão

Lloyd Austin esteve em Israel ao mesmo tempo que em Viena decorrem negociações entre os signatários do acordo nuclear para que Washington regresse ao diálogo – decisão que Israel contesta.

REUTERS/Dan Balilty

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, esteve este fim-de-semana em Israel para debater com o seu homólogo (interino) Benjamin Gantz a questão do Irão e a eventualidade do regresso dos norte-americanos ao perímetro do acordo nuclear com Teerão – tendo Israel insistido que a questão não podia ser mais relevante para a sua segurança.

Após a reunião, Gantz disse que os dois discutiram a ameaça que o Irão representa para Israel, bem como planos para garantir a superioridade militar do Estado judaico na região. Israel tem beneficiado há décadas do fornecimento de armas que não são vendidas a mais nenhum país do Médio Oriente. Mas essa situação pode ter sido alterada em 2020 – quando os israelitas perceberam que a assinatura dos Acordos de Abraão, nomeadamente com os Emirados Árabes Unidos, podia significar o fim desse entendimento.

Gantz chegou mesmo a ir a Washington debater o assunto com o antigo presidente Donald Trump – mas nunca ficou claro se os Estados Unidos estão ou não a ponderar a possibilidade de ‘abrir‘ as vendas de tecnologia avançada a outros ‘mercados’ do Médio Oriente.

“Durante nossas conversas, enfatizei ao secretário Austin que Israel vê os Estados Unidos como um parceiro pleno em todos os teatros operacionais – não menos no Irão”, disse Gantz, citado pelos jornais do país. “Trabalharemos em estreita colaboração com os nossos aliados norte-americanos para garantir que qualquer novo acordo com o Irão proteja os interesses vitais do mundo e dos Estados Unidos, evite uma perigosa corrida às armas na nossa região e proteja o Estado de Israel”.

Israel foi dos muito poucos países que aplaudiram a decisão de Trump retirar os Estados Unidos do acordo de 2015 – conseguido por Barack Obama e por Joe Biden enquanto vice-presidente. Na altura (2018), Israel insistiu que, ao deixar a questão dos misseis balísticos fora do acordo, a segurança do país estava colocada em causa.

Lloyd Austin absteve-se de falar publicamente sobre a questão iraniana, dizendo apenas que o diálogo com Gantz versara “desafios de segurança regional”. “Fiquei satisfeito com a nossa discussão sobre uma série de questões de segurança que são importantes para os nossos dois países”, disse Austin após a reunião. “Apreciei ouvir as perspetivas do ministro Gantz sobre os desafios na região”. “Reafirmei ao ministro Gantz que o nosso compromisso com Israel é duradouro e robusto, e garantir que a vantagem militar qualitativa de Israel se vai manter”, disse Austin.

A reunião entre ambos ocorreu quando em Viena estão a decorrer conversações entre o Irão e os países que assinaram o acordo e nele se mantêm – Alemanha, França, Reino Unido, Rússia e China – para avaliarem a possibilidade de os Estados Unidos voltarem a sentar-se à mesa das negociações com Teerão.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu advertiu a semana passada que Israel não será sentirá limitado por um qualquer acordo nuclear revitalizado entre as potências mundiais e o Irã. O que, por outras palavras, quer dizer que o Estado judaico se sente no direito de boicotar – nomeadamente recorrendo às armas – qualquer eventualidade de o Irão atingir a qualidade de potência nuclear. O secretário norte-americano tem previsto um encontro com Netanyahu – que já disse várias vezes opor-se ao regresso dos Estados Unidos ao perímetro do acordo nuclear com o Irão.

Ler mais
Recomendadas

Esquerda Republicana deverá governar a Catalunha sem coligação

Junts per Catalunya diz que vai continuar a negociar, mas abre a porta a um possível apoio meramente parlamentar. Se não houver um novo governo de pleno direito até 26 de maio, novas eleições ficam automaticamente marcadas.

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.

Nacionalistas escoceses prometem novo referendo sobre independência

Boris Johnson, que já prometeu não aceitar o referendo, diz que qualquer movimentação no sentido da secessão é uma péssima notícia para mais de 300 anos de história conjunta.
Comentários