Sector do turismo com crescimento homólogo superior a 800%, mas longe de números pré-pandemia

As dormidas de cidadãos residentes em Portugal subiram 517% com as de não-residentes a aumentarem 496%. Face a abril de 2019, registaram quedas de 60% e de 93%, respetivamente.

O sector do alojamento turístico registou um forte crescimento em abril face a período homólogo, mas ainda está longe dos números registados antes da pandemia da Covid-19.

O país registou um total de 460 mil hóspedes e 947 mil dormidas em abril, mais 762% e 511% face a período homólogo, segundo os dados divulgados pelo INE esta segunda-feira, 14 de junho. Comparando com abril de 2019, os hóspedes recuaram 80% com as dormidas a descerem 84%.

Já os proveitos totais registados nos estabelecimentos de alojamento turístico atingiram os 47,7 milhões de euros, mais 838%.  Face a abril de 2019, o recuo é de 60% nos proveitos totais.

As dormidas de cidadãos residentes em Portugal subiram 517% com as de não-residentes a aumentarem 496%. Face a abril de 2019, registaram quedas de 60% e de 93%, respetivamente.

Nos primeiros quatro meses do ano, as dormidas totais registaram uma queda de 39% nos residentes e de 85% nos não residentes. Os proveitos registaram quedas de 73% entre janeiro e abril.

Nestes quatro meses foram registados um total de 1,4 milhões de hóspedes (-66%) e de 3,3 milhões de dormidas (-67%).

Recomendadas

Museus e monumentos nacionais perderam 68,7% de visitantes no primeiro semestre

A descida, segundo a DGPC, revela a dimensão do impacto da pandemia de covid-19 no país, já que, entre 01 de janeiro e 13 de março de 2020, o número de entradas registadas deu-se ainda num quadro de livre circulação de visitantes portugueses e estrangeiros.

Tempo médio de atribuição de pensões pela CGA diminuiu mas continua sem cumprir lei

No global, quase metade das pensões de reforma (46%) foram atribuídas num período superior a 120 dias. Ao longo do triénio 2017-2019, o TdC revela que foram adotadas “várias iniciativas de melhoria do serviço prestado e diminuição dos tempos médios na atribuição de pensões”, em concreto no que toca aos sistemas de informação, automatização de processos e priorização das áreas de atuação.

Jerónimo Martins aumenta vendas no primeiro semestre em 6,3%, para 9,9 mil milhões de euros

O EBITDA consolidado do grupo retalhista nacional cresceu 12,6% na primeira metade deste ano
Comentários