Secundária de Felgueiras é a mais bem sucedida do país. Este é o “ranking do sucesso”, escola a escola

Este ranking analisa a percentagem de alunos que concluíram o secundário sem qualquer chumbo e notas positivas nos dois exames das disciplinas trienais. Mostra uma realidade mais consistente em que o sucesso é avaliado pelo percurso do aluno e não apenas pelas notas dos exames, como acontece com o ranking geral das escolas.

A Escola Básica e Secundária Dr. Machado de Matos em Felgueiras lidera o “ranking do sucesso”, que o Jornal Económico divulga aqui na totalidade, escola a escola.

Os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência/Júri Nacional de Exames, disponibilizados pelo Ministério da Educação ao primeiro minuto do dia 27 de junho, respeitam ao ano letivo passado: 2019, antes da crise da pandemia da Covid-19, que levou à suspensão em março deste ano das aulas presenciais e à sua substituição temporária pelo ensino a distância, que revelou enormes desigualdades para um país tão pequeno.

No “ranking do sucesso”, ao contrário do que, por norma, acontece no ranking geral, elaborado com base nas notas dos exames, o Top 10 é dominado por escolas públicas. As exceções são o Colégio de S. Miguel de Fátima,  segundo da lista, o “Instituto D. João V”, de Pombal, oitavo, e o Colégio de S. Tomás, de Lisboa, nono da lista e primeira escola da capital.

As sete escolas públicas que mais fizeram evoluir os seus alunos espalham-se pelo país, numa grande diversidade regional, que vai de Pombal (Escola Básica e Secundária de Guia), a Viana do Castelo (Básica e Secundária de Agra e Lima), de São João da Pesqueira (Escola Básica e Secundária), ao Sardoal (Básica e Secundária Dra. Judite Andrade), à Trofa (Básica e Secundária de Coronado e Castro) e ao  Redondo (Escola Dr. Hernâni Cidade).

Ao contrário do ranking geral que é elaborado com base nas notas dos exames, o ranking do sucesso analisa a percentagem de alunos que acabaram o secundário sem chumbos e com positivas nos dois exames das disciplinas trienais. O Ministério da Educação evidencia-lhe as vantagens em relação à outra metodologia: “Leva em conta o número de alunos que a escola recebe à entrada do secundário. Valoriza o sucesso durante todo o percurso do secundário. Combina as avaliações interna da escola e externa resultante dos exames. Considera os resultados agregados dos últimos três anos, logo valoriza a consistência dos resultados na escola e não os desvios fortuitos que possam surgir nos resultados dos exames”. Por outras palavras: em  vez de comparar a totalidade dos alunos de uma escola com a totalidade dos alunos de outra, este ranking compara alunos com características idênticas, que partem do mesmo ponto, valorizando, depois, a sua evolução.

Segundo os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência/Júri Nacional de Exames, organizados pelo JE, o grupo das escolas que mais penalizam os alunos é liderado pela Escola Básica e Secundária Dr. Mário Fonseca em Lousada,  seguida da  Escola Secundária Jaime Cortesão em Coimbra, e pela Escola Secundária de Moledos, em Tondela. Três escolas públicas em três distritos diferentes, o que, mais uma vez, atesta a diversidade geográfica regional, como já tínhamos mostrado para os melhores percursos.
Neste grupo também há escolas privadas, como o Colégio Guadalupe do Seixal, no distrito de Setúbal (quarto a contar do fim) e o Colégio de Nossa Senhora da Graça, em Odemira, distrito de Beja, que é sexto.

O Jornal Económico também elabora o ranking geral das escolas elaborado a partir da base de dados disponibilizada pelo Ministério da Educação.

Ler mais
Recomendadas

Matrículas só são obrigatórias para alunos que começam novo ciclo

Ministério da Educação decidiu mudar as regras face às dificuldades sentidas nas últimas semanas por pais e encarregados de educação. Site das matrículas até foi alvo de ataques informáticos.

Ministério da Educação dá vínculo a mais 872 professores

A Direção-Geral da Administração Escolar publicou esta terça-feira, 7 de julho, as listas definitivas do concurso externo de professores que pode consultar aqui. O número candidatos voltou a subir, passando de 34 mil, em 2019, para quase 37 mil em 2020.

Perdas até 21 mil milhões. Universidades britânicas em risco de declarar insolvência devido à Covid-19

Sem identificar, o estudo da IFS conclui que as universidades mais prestigiadas terão mais probabilidades de sobreviver aos impactos da crise pandémica. Antecipam-se perdas que podem chegar a 21 mil milhões de euros.
Comentários