Secundária de Felgueiras é a mais bem sucedida do país. Este é o “ranking do sucesso”, escola a escola

Este ranking analisa a percentagem de alunos que concluíram o secundário sem qualquer chumbo e notas positivas nos dois exames das disciplinas trienais. Mostra uma realidade mais consistente em que o sucesso é avaliado pelo percurso do aluno e não apenas pelas notas dos exames, como acontece com o ranking geral das escolas.

A Escola Básica e Secundária Dr. Machado de Matos em Felgueiras lidera o “ranking do sucesso”, que o Jornal Económico divulga aqui na totalidade, escola a escola.

Os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência/Júri Nacional de Exames, disponibilizados pelo Ministério da Educação ao primeiro minuto do dia 27 de junho, respeitam ao ano letivo passado: 2019, antes da crise da pandemia da Covid-19, que levou à suspensão em março deste ano das aulas presenciais e à sua substituição temporária pelo ensino a distância, que revelou enormes desigualdades para um país tão pequeno.

No “ranking do sucesso”, ao contrário do que, por norma, acontece no ranking geral, elaborado com base nas notas dos exames, o Top 10 é dominado por escolas públicas. As exceções são o Colégio de S. Miguel de Fátima,  segundo da lista, o “Instituto D. João V”, de Pombal, oitavo, e o Colégio de S. Tomás, de Lisboa, nono da lista e primeira escola da capital.

As sete escolas públicas que mais fizeram evoluir os seus alunos espalham-se pelo país, numa grande diversidade regional, que vai de Pombal (Escola Básica e Secundária de Guia), a Viana do Castelo (Básica e Secundária de Agra e Lima), de São João da Pesqueira (Escola Básica e Secundária), ao Sardoal (Básica e Secundária Dra. Judite Andrade), à Trofa (Básica e Secundária de Coronado e Castro) e ao  Redondo (Escola Dr. Hernâni Cidade).

Ao contrário do ranking geral que é elaborado com base nas notas dos exames, o ranking do sucesso analisa a percentagem de alunos que acabaram o secundário sem chumbos e com positivas nos dois exames das disciplinas trienais. O Ministério da Educação evidencia-lhe as vantagens em relação à outra metodologia: “Leva em conta o número de alunos que a escola recebe à entrada do secundário. Valoriza o sucesso durante todo o percurso do secundário. Combina as avaliações interna da escola e externa resultante dos exames. Considera os resultados agregados dos últimos três anos, logo valoriza a consistência dos resultados na escola e não os desvios fortuitos que possam surgir nos resultados dos exames”. Por outras palavras: em  vez de comparar a totalidade dos alunos de uma escola com a totalidade dos alunos de outra, este ranking compara alunos com características idênticas, que partem do mesmo ponto, valorizando, depois, a sua evolução.

Segundo os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência/Júri Nacional de Exames, organizados pelo JE, o grupo das escolas que mais penalizam os alunos é liderado pela Escola Básica e Secundária Dr. Mário Fonseca em Lousada,  seguida da  Escola Secundária Jaime Cortesão em Coimbra, e pela Escola Secundária de Moledos, em Tondela. Três escolas públicas em três distritos diferentes, o que, mais uma vez, atesta a diversidade geográfica regional, como já tínhamos mostrado para os melhores percursos.
Neste grupo também há escolas privadas, como o Colégio Guadalupe do Seixal, no distrito de Setúbal (quarto a contar do fim) e o Colégio de Nossa Senhora da Graça, em Odemira, distrito de Beja, que é sexto.

O Jornal Económico também elabora o ranking geral das escolas elaborado a partir da base de dados disponibilizada pelo Ministério da Educação.

Ler mais
Recomendadas

Fenprof: “o Governo deve suspender as atividades das escolas”

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores, afirmou esta terça-feira que “o pior que podia podia acontecer à educação era sobreviver assente sobre um número de milhares de mortos”.

António Costa insiste em manter escolas abertas: “Sabemos bem o custo social que representa fechar”

O primeiro-ministro garante que o Governo tem adotado as regras que “em cada momento se justificam” e que tem evitado fazer “mais do que aquilo que é absolutamente necessário”. Admite, no entanto, ponderar o encerramento das escolas, caso a situação epidemiológica se complique.

Testes rápidos em secundárias de concelhos de risco extremamente elevado arrancam esta quarta-feira

O Ministério da Educação e da Saúde informam que em caso de identificação de surtos ativos será intensificada a testagem, que irá priorizar “toda a comunidade escolar dos estabelecimentos de ensino afetados, independentemente do grau de ensino a que pertença”.
Comentários