Sede da Bi4all vai acolher startups de cibersegurança, dados e criptomoedas no próximo ano

Situado em Lisboa, o espaço da Bi4all é composto por dois edifícios com sete mil metros quadrados no total e capacidade para mais de 500 postos de trabalho em salas e ‘open spaces’. Em 2022, além dos colaboradores, serão bem vindos os empreendedores tecnológicos.

A tecnológica portuguesa Bi4all, que presta serviços de analítica de dados e inteligência artificial, pretende acolher na sua nova sede startups nas áreas da cibersegurança, data governance e criptomoedas, a partir do próximo ano. O objetivo da empresa é promover a partilha do espaço, que foi inaugurado este ano e envolveu um investimento de oito milhões de euros, para estimular a criatividade, colaboração e o empreendedorismo.

Situada na Avenida Marechal Gomes da Costa, em Lisboa, a sede da Bi4all é composta por dois edifícios com 7 mil metros quadrados no total com capacidade para mais de 500 postos de trabalho em salas e open spaces. Há ainda copa e zona de restauração, quartos para clientes e colaboradores que residem fora da capital, campo de padel, ginásio, entre outras comodidades.

“A Cidade BI4ALL nasceu como um espaço disruptivo, criativo, internacional e cosmopolita. Nesse sentido, queremos agora partilhar as nossas instalações com startups tecnológicas, oferecendo um contacto direto com especialistas do setor e do mundo empresarial. Acreditamos que, pela nossa experiência e caminho de sucesso, podemos ajudar novos negócios a crescerem e solidificarem”, explica o CEO, sem detalhar os moldes em que será feito esse apoio.

José Oliveira garante, em comunicado divulgado aos meios de comunicação social, que a empresa sempre teve uma cultura “muito orientada” para as pessoas, o que leva os gestores a estarem “sempre muito atentos à sociedade e ao que nos rodeia”. Na sua opinião, o renovado escritório veio concretizar a intenção que tinham de “acolher e apoiar empreendedores, ajudando-os a fazer crescer os seus projetos, num ambiente de trabalho único e inovador”.

Recomendadas

PremiumValérius afasta para já produção da Dielmar em Marrocos

interessada na Dielmar admitiu vir a transferir a produção para Marrocos, porque na Europa a especialização do sector está a desaparecer. CEO admite ao JE que será um processo a dez, 15 anos.

Huawei foi excluída do 5G do Reino Unido devido a pressão americana, diz antigo ministro britânico

“Não teve nada a ver com segurança nacional”, afirma Vince Cable, citado pela Euractiv, contrariando os argumentos invocados por Boris Johnson quando em 220 baniu a empresa chinesa da construção da rede de 5G no país.

NOS distingue-se no combate às alterações climáticas

O CDP – Disclosure, Insight, Action atribuiu pelo segundo ano consecutivo o rating A- à operadora de telecomunicações portuguesa.
Comentários