Segmento da reabilitação urbana em Portugal registou contração de 12,4% em outubro

Até ao final de outubro, o índice da carteira de encomendas do barómetro elaborado pela AICCOPN registou uma deterioração de 11,7%.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

De acordo com o inquérito ao segmento da reabilitação urbana em Portugal, referente ao mês de outubro, realizado pela AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e das Obras Públicas aos empresários que atuam nesta área de atividade, constata-se a “tendência decrescente” observada nos últimos meses nos principais indicadores qualitativos.

“O nível de atividade na reabilitação urbana regista, em outubro, uma variação de -12,4% em termos homólogos, valor que compara com os -9,1% apurados no mês anterior. No mesmo sentido, no volume de obras em carteira assiste-se a uma deterioração da opinião dos empresários, com o índice carteira de encomendas a sinalizar uma redução de 11,7%, em termos homólogos, variação superior à registada no mês anterior (-7,5%)”, assinala um comunicado da AICCOPN.

De acordo com essa nota, “quanto ao número de meses de produção contratada, ou seja o tempo assegurado de laboração a um ritmo normal de produção, em outubro, apurou-se uma redução face aos meses anteriores, fixando-se em 7,8 meses”.

Recomendadas

PremiumCarteira da Mota-Engil dispara para sete a oito mil milhões de euros

Nos últimos doze meses, a construtora nacional garantiu grandes contratos no valor conjunto de quase quatro mil milhões. Já este mês, a cereja no topo do bolo veio da Nigéria, no montante de 1.500 milhões.

Construção e Imobiliário: impactos da pandemia e perspetivas futuras

As ações de mitigação a tomar nos próximos anos são sobretudo de caráter político-económico, começando com investimento público como meio para estimular a economia e, subsequentemente, incentivar o desenvolvimento do setor privado.

Mota-Engil assina contrato de 1.490 milhões na Nigéria e Níger

O contrato, considerado o maior de sempre na história da construtora nacional, respeita à construção de uma linha férrea com cerca de 374 quilómetros de extensão que atravessa os dois países africanos e que terá um prazo de execução de 32 meses.
Comentários