Segredo de Estado

Há 40 anos, em maio de 1981, François Mitterrand era eleito presidente da República Francesa. Pretexto para recordar pontos sombrios da sua biografia.

A 10 de Maio de 1981, faz agora 40 anos, François Mitterrand era eleito presidente da República Francesa, tornando-se no primeiro político socialista a alcançar tal feito no regime constitucional da V República. Recordo-me de seguir as eleições com interesse e o resultado ter constituído uma  agradável surpresa.

Independentemente das questões ideológicas, Mitterrand simbolizava a novidade política, prometia “mudar a vida” e rodeou-se de jovens políticos e publicitários a quem deu carta de alforria na campanha eleitoral. Um desses publicitários, Jacques Séguéla, na altura com pouco mais de 40 anos, inventou a marca Mitterrand com a mensagem “La force tranquile”.

Mais tarde, na sua recandidatura, em 1988, ajudou à reeleição com o cartaz “génération Mitterrand”. O feito é tanto mais extraordinário quanto é certo que o candidato, sendo sem dúvida culto e assertivo nos debates políticos, não tinha particulares dotes oratórios e arrastava um passado político muito preenchido mas nem todo ele devidamente esclarecido.

Um dos pontos sombrios era (e ainda o é hoje) a sua ligação ao regime de Vichy. Contudo, isso não o impediu de ser eleito e reeleito e exercer durante 14 anos a magistratura máxima da República Francesa. Provavelmente porque, como o próprio Séguéla sempre disse, ninguém vence eleições com menos de 95% de notoriedade.

Contudo, um outro ponto sombrio da biografia de Mitterrand  é  a manutenção durante  anos de duas vidas privadas e familiares, totalmente separadas e sobretudo ignoradas do público, realidade que só se tornou pública dois anos antes de morrer, em 1996.

A existência de uma filha, Mazarine, nascida da relação que manteve até falecer com Anne Pingeot, não obstante manter-se casado com Danielle, de quem já tinha dois filhos, só se  tornou conhecida do público quando, em 1994, a revista “Paris Match” fez capa com o assunto. Até lá o tema foi um segredo para todos, a ponto dos meios-irmãos ignorarem sequer a existência de Mazarine.

Mas, sobretudo, constituiu um verdadeiro segredo de Estado. Na verdade, sabe-se hoje,  Mazarine e a sua mãe viveram em edifícios públicos e sob protecção do Estado francês durante os mandatos de Mitterrand, sem que os próprios ministros e restante pessoal político disso soubessem.

Para quem nutre pela figura de Mitterrand respeito intelectual e político, estes aspectos não deixam de ser perturbantes. Sempre se poderá dizer que Mitterrand tomou o partido da defesa da sua vida privada. Nada mais respeitável. Mas à luz do que hoje se sabe parece mais plausível outro sentido para a sua decisão: o de que a revelação da sua verdadeira vida privada poderia arruinar (ou pelo menos dificultar) a sua carreira política.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Como seria o preço da eletricidade sem renováveis?

Dada a conjuntura atual constituem antes uma vantagem financeira que diariamente gera um sobreganho e uma proteção contra a subida de preços para os consumidores.

As escolhas nas eleições autárquicas

Escolher um presidente de câmara, de junta de freguesia ou de assembleia municipal é um dever que os cidadãos têm, de extrema importância para a melhoria das condições de vida dos territórios.

O que é #DeFi?

É o conjunto dos serviços financeiros baseados em blockchain. É um mundo onde a confiança entre entidades faz parte integrante da construção do ecossistema, e é isso que é verdadeiramente novo e disruptivo.
Comentários