Seguradora espanhola Mutua de Propietarios lança seguro que cobre incumprimento do pagamento das rendas

A contratação do Seguro de Perda de Rendas constitui também uma alternativa ao aval bancário, reduzindo despesas para inquilinos e proprietários, diz a empresa, que é especializada em soluções de seguro no ramo imobiliário.

O grupo de seguros e resseguros espanhol Mutua de Propietarios, vocacionado em soluções globais  para a propriedade imobiliária em Espanha, e a Hispania, através da sua rede de agentes e corretores em Portugal, lançaram no mercado português um novo Seguro de Perda de Rendas que protege os proprietários de imóveis em caso de incumprimento por parte dos seus inquilinos.

O grupo Mutua de Propietarios Seguros y Reaseguros a Prima Fija “pretende impulsionar a sua presença em Portugal”, afirma Christopher Bunzl, diretor geral do grupo Mutua de Propietarios.

Esta modalidade de seguro é dirigida a proprietários de imóveis para arrendamento residencial.

“Além de segurar a cobrança das rendas, garantindo o pagamento da receita não paga em caso de incumprimento do inquilino e possibilitando o pedido de adiantamento da mesma, oferece uma garantia de defesa ou reclamação em conflitos diretamente relacionados com os contratos de arrendamento. Isto inclui coberturas como: defesa de responsabilidade penal do proprietário, reclamação ao responsável identificado por danos causados no imóvel arrendado e reclamação no caso de incumprimento dos contratos de serviço para a reparação ou manutenção das instalações”, revela a companhia de seguros.

A contratação do Seguro de Perda de Rendas constitui também uma alternativa ao aval bancário, reduzindo despesas para inquilinos e proprietários, diz a Mutua de Propietarios, que é especializada em soluções de seguro no ramo imobiliário.

O country manager da Hispania Portugal diz em comunicado que “todas as operações de arrendamento acarretam um risco relacionado com a solvência do inquilino. Por isso, tradicionalmente, os contratos de arrendamento impõem condições de garantia que se materializavam numa série de encargos para o inquilino como a necessidade de caução, o pagamento de um ou dois meses de renda antecipados ou a apresentação de garantias bancárias, o que dificultava um arrendamento rápido acarretando com isso uma redução das receitas potenciais para o arrendatário.”

Ao permitir ao proprietário dos imóveis em arrendamento assumir a carga da solvência do inquilino através do seguro, reduz-se o tempo de desocupação do imóvel: “A redução de apenas um mês no tempo em que o imóvel está desocupado já permite ao proprietário ganhar dinheiro”, explica Christopher Bunzl, que salienta: “um imóvel desocupado durante um mês representa uma redução de receitas na ordem dos 8,3% face aos 4% que representa o custo do Seguro de Perda de Rendas.” Como exemplo, para um aluguer de 650 euros mensais, o custo anual do seguro será de 315 euros, ou seja, o equivalente a menos de duas semanas de renda, revela o comunicado.

“Muitos proprietários de imóveis sentem inquietação quando colocam as suas casas no mercado de arrendamento devido aos riscos que este ainda acarreta, em especial o risco de não recebimento das rendas e consequente perda de rentabilidade dos imóveis”, refere Alfredo Martinez, country manager da Hispania Portugal, que acrescenta: “a solução que agora trazemos para Portugal, com o aval do sucesso no mercado espanhol, oferece tranquilidade e segurança aos senhorios quanto à manutenção das suas receitas e ao apoio jurídico de que podem necessitar em caso de conflito.”

“Em 2020 assistimos a um aumento substancial da oferta de arrendamentos em Portugal, tendência que se poderá manter em 2021 se mais imóveis em alojamento local forem canalizados para o mercado de arrendamento convencional. Nessa medida, é importante oferecer aos senhorios novas garantias que evitem os impactos da perda de receitas por falta de pagamento”, salienta Alfredo Martinez.

Recomendadas

Moody’s atribui ao Crédito Agrícola o mesmo rating de suporte acionista da CGD

Crédito Agrícola recebeu uma notação de risco da agência Moody’s de nível “Ba1” (lixo) em relação ao Baseline Credit Assessment (BCA), naquele que é o primeiro rating atribuído à instituição liderada por Licínio Pina. A classificação é igual à da CGD neste rating. Os bancos com melhor rating são o Santander e o BPI e os piores o Montepio e Novo Banco.

CGD limita impressão de talões de saldos e movimentos a um por semana

Segundo o “Jornal de Negócios” os talões impressos quando há levantamento de dinheiro vão poder continuar a ser requisitados sempre que o cliente precisar.

BPI, Multibanco e Fidelidade lideram marcas do sector financeiro com melhor reputação

Numa escala de 100 pontos, este estudo destaca as três marcas com melhor avaliação: a Nestlé com o melhor índice de reputação e relação emocional com 86,2 pontos, logo seguida pelas marcas Delta e Olá com 85,8 pontos e 84,1 pontos respetivamente.
Comentários