Seis empresas portuguesas entre as melhores na área da sustentabilidade

O CDP – Disclosure Insight Action reconheceu as seis empresas portuguesas que estão na linha da frente para a adoção de novas práticas sustentáveis. A Jerónimo Martins é uma em destaque, somando um total de cinco distinções A-, quatro delas na categoria de Florestas e uma na de Alterações Climáticas.

Inácio Rosa / Lusa

Pelo menos seis empresas portuguesas conseguiram uma classificação de A- (nível de liderança) no campo das “Alterações Climáticas” na avaliação anual da CDP (Disclosure Insight Action) que avalia os níveis de sustentabilidade das empresas. Nesse grupo, constam a Caixa Geral de Depósitos, o Grupo Jerónimo Martins, a Navigator, a Sonae, a EDP e os CTT. No total 41 empresas portuguesas foram avaliadas pela organização, mas nem todas receberam uma nota positiva nesse campo. Entidades como a Mota-Engil, a Sonae Industria e a Altice receberam um “F” na análise de práticas contra as alterações climáticas.

Na categoria de “Segurança da Água”, a EDP foi a única empresa portuguesa com uma avaliação de “A”, a pontuação máxima da CDP. Já a Jerónimo Martins, enquanto única representante do setor agroalimentar em Portugal, e a Galp Energia conseguiram uma pontuação de nível “B” (gestão). Já do lado negativo, com uma nota “F”, surgem a Mota-Engil, a Altri e a Semapa.

A empresa de retalho também destaca-se no programa “Florestas” dividido em quatro commodities (óleo de palma, madeira, gado bovino e soja), tendo sido único retalhista alimentar mundial com uma avaliação de nível “A-” em todos os campos. A contrastar, a Navigator, a Sonae e a Galp são algumas das avaliadas que receberam um “F” de acordo com a CDP.

Este ano, o Disclosure Insight Action avaliou mais de 200 companhias que têm trabalhado para construir uma economia mais sustentável, tanto para as populações como para o planeta.

O CDP é uma organização sem fins lucrativos que incentiva empresas e cidades a medir e gerir oportunidades e riscos em matérias de ambiente e alterações climáticas. Anualmente, recolhe informação através dos seus programas “Climate Change” (Mudanças Climáticas), “Forests” (Florestas) e “Water Security” (Água), que, em 2019, analisaram mais de 8.400 empresas, equivalendo a metade da capitalização bolsista de todo o mundo.

Recomendadas

Greta Thunberg e dezenas de milhares de jovens paralisam Hamburgo

A jovem sueca liderou a enorme manifestação que paralisou o centro da cidade durante horas, levando um cartaz onde se lia “Salvar o clima, salvar Hamburgo”.

Quercus alerta para riscos de confetis e glitter no ambiente no dia de Carnaval

Os confetis de plástico e os glitter são as principais preocupações para associação ambientalista na noite de Carnaval. Quercus apela para que se opte por opções biodegradáveis ou feitas de papel.

5,3 mil milhões de euros. Portugal a meio da tabela europeia na cobrança de impostos ambientais

No total dos 27 Estados-membros registou-se um encaixe total de 324,6 mil milhões de euros com impostos ambientais, mais 3% face a 2017 e um valor que representa 2,4% do PIB.
Comentários