Seis mil milhões de euros de compromissos para gerir melhor os oceanos

Segundo apurou o Jornal Económico, a própria Comissão Europeia aproveitou esta conferência para anunciar mais de 620 milhões de euros de investimento em iniciativas financiadas pela UE, destinadas a fazer face aos desafios globais dos oceanos.

A conferência ‘O Nosso Oceano’, organizada pela União Europeia (UE) e realizada em Malta, resultou em compromissos de investimento de mais de seis mil milhões de euros assumidos por atores públicos e privados dos 112 países representados, com o objetivo de gerir melhor os oceanos.
Parte destes investimentos será coordenada por Bruxelas.
Segundo apurou o Jornal Económico, a própria Comissão Europeia aproveitou esta conferência para anunciar mais de 620 milhões de euros de investimento em iniciativas financiadas pela UE, destinadas a fazer face aos desafios globais dos oceanos, em seis áreas nucleares: pesca sustentável, proteção marinha, alterações climáticas, economia azul, poluição marinha e segurança marítima. 
Esta conferência contou com o patrocínio da alta representante/vice-presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, e de Karmenu Vella, comissário responsável pelo Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas. 
“Os recursos serão investidos para reforçar a luta contra a poluição marinha e alargar as zonas protegidas, aumentar a segurança dos oceanos, promover iniciativas de economia azul e a pesca sustentável, bem como para intensificar os esforços da UE contra as alterações climáticas, em sintonia com o Acordo de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Os participantes também anunciaram a criação de novas zonas marinhas protegidas com uma superfície de mais de 2,5 milhões de quilómetros, ou seja, mais de metade do tamanho de toda a União Europeia”, destaca um comunicado da Representação da Comissão Europeia em Portugal.
Desta lista de mais de 400 compromissos, 36 respeitam à UE, mais de 200 são de governos de países terceiros, mais de 100 de empresas e alguns mais de ONG [Organizações Não Governamentais], fundações, institutos de investigação e organizações internacionais).
O primeiro vice-presidente, Frans Timmermans, considera que “a Comissão Europeia demonstrou, com compromissos concretos, o seu forte empenho na sustentabilidade, segurança e prosperidade dos nossos oceanos”.
“Se estiverem em risco, também nós estaremos, pois os oceanos alimentam o nosso planeta e a nossa população, e ligam-nos aos nossos parceiros de todo o mundo”, defendeu aquele responsável.
Por seu turno, a alta representante e vice-presidente, Federica Mogherini, declarou que “o mar é um património comum universal”.
“É o nosso oceano porque pertence à humanidade, a cada ser humano. Todos temos a responsabilidade de proteger o que é comum, de o proteger como um tesouro e de impedir que se transforme numa ameaça. A União Europeia está convicta de que, num mundo globalizado, é necessária uma maior cooperação na governação mundial. Acreditamos no poder da diplomacia e investimos nele, acreditamos e investimos no poder das regras comuns e das instituições internacionais. É difícil, na realidade impossível, imaginar uma governação mundial sem cooperação na governação dos oceanos”, observou Federica Mogherini.
Por  sua vez, o comissário Karmenu Vella confidenciou que de “há três anos fui convidado pelo Presidente Juncker para definir o papel global da UE a nível dos oceanos”.
“Penso que, juntos, conseguimos cumprir este objetivo. Tanto as nossas políticas em terra – o nosso empenho na economia circular e na redução dos resíduos de plástico – como no mar – em matéria de poluição marinha, zonas protegidas e aproveitamento da energia limpa dos oceanos – demonstram-no claramente. A União Europeia está a ganhar o respeito e a inspirar a ação em todo o planeta”.
Também o comissário Neven Mimica comentou que “estes dois dias [da conferência em Malta] estiveram à altura dos nossos compromissos de desenvolvimento sustentável dos oceanos”.
“Os pescadores de pequena escala em todo o mundo têm mais possibilidades de pescar de forma legal, segura e sustentável. As cadeias alimentares são mais seguras. As zonas costeiras estão mais protegidas. Estamos a agir para enfrentar o desafio das alterações climáticas. Para muitos dos nossos parceiros dos países em desenvolvimento, a governação sustentável dos oceanos é uma questão de sobrevivência. O caminho a percorrer ainda é longo, mas estamos a avançar na direção certa”, assumiu Neven Mimica.
A Conferência ‘Our Ocean’ reuniu intervenientes públicos e privados dos seis continentes, que estão coletivamente empenhados na causa de uma melhor governação dos oceanos e da sua utilização sustentável.
“Os compromissos da UE vão muito para além da sua região geográfica, apoiando a utilização sustentável dos oceanos em todo o mundo, com especial ênfase nos países em desenvolvimento. Pela primeira vez, a conferência obteve compromissos significativos por parte do setor privado, incluindo a Airbus, Unilever, Procter & Gamble, PepsiCo, Marks & Spencer, Carrefour, Royal Caribbean Cruises, AXA, Sky e outros”, destaca o referido comunicado da Representação da Comissão Europeia em Portugal.
Os compromissos agora assumids serão acompanhados e objeto de um relatório na próxima conferência ‘Our Ocean’, a realizar na Indonésia em 2018.
Contexto
Nas conferências anteriores, organizadas pelos Governos dos Estados Unidos (2014, 2016) e do Chile (2015), foi assumida uma vasta gama de compromissos e prometidos milhares de milhões de euros.
A conferência ‘Our Ocean 2017′ abordou os temas das zonas marinhas protegidas, da pesca sustentável, da poluição marinha e das alterações climáticas. Este ano, a Comissão Europeia introduziu os temas da economia azul e da segurança marítima.
“A conferência ‘Our Ocean’ levou os participantes de todo o mundo a assumirem compromissos significativos. Com a tónica num empenhamento, parceria e ação de alto nível, a UE continua a impulsionar outros esforços internacionais, como a concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no âmbito da Agenda 2030. A conferência também complementa a iniciativa da UE em matéria de governação internacional dos oceanos, que estabeleceu um programa para o futuro dos oceanos de todo o mundo e propôs 50 ações concretas”, conclui o referido comunicado.
Recomendadas

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Sismo de 2,7 na escala de Richter sentido na Terceira

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, o ‘abanão’ foi “sentido em Angra do Heroísmo” e o CIVISA “continua a acompanhar o evoluir da situação, emitindo novos comunicados caso necessário”.

Bruxelas investiga BMW, Daimler e grupo VW por suspeitas de cartel

O cartel “pode ter negado aos consumidores a oportunidade de comprar carros menos poluentes, apesar de a tecnologia estar disponível para os fabricantes”, segundo a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.
Comentários