Sem palhinhas, sacos e garrafas: Cascais e Estoril vai ser freguesia sem plásticos

Este movimento inspirou-se numa campanha de sucesso, realizada em Cornwall, Inglaterra, que sensibiliza as populações para os danos que os plásticos descartáveis, em particular, as palhinhas, podem causar aos oceanos”.

A freguesia de Cascais e Estoril vai abolir os plásticos nos seus serviços, nomeadamente as palhinhas, sacos ou garrafas.

Para o efeito, a respetiva Junta de Freguesia  assinou uma parceria com o Movimento Claro Cascais, tendo já despachado a medida que não permitirá a utilização de plástico nos serviços da Junta.

Pedro Morais Soares, presidente da Junta de Freguesia de Cascais e Estoril, considera que “é essencial que se produza uma mudança de atitude de todos nós relativamente à proteção do meio ambiente e a administração pública, nomeadamente a local, tem um papel importante nessa sensibilização”.

“É do conhecimento público que, em geral, um terço do lixo doméstico é composto por resíduos plásticos. Consideramos este valor preocupante pelo que nos orgulhamos do passo que vamos dar relativamente à abolição dos plásticos nos nossos serviços”, acrescenta este responsável.

A iniciativa da Junta de Freguesia de Cascais e Estoril nasceu de uma parceria com o Movimento Claro Cascais, “um grupo criado por três estudantes cascalenses com o objetivo de sensibilizar a população de que progresso não deve ser sinónimo de violação ambiental”.

“Este movimento inspirou-se numa campanha de sucesso, realizada em Cornwall, Inglaterra, que sensibiliza as populações para os danos que os plásticos descartáveis, em particular, as palhinhas , podem causar aos oceanos”, explica um comunicado da referida Junta de Freguesia.

 

Este documento sublinha que, segundo o Ministério do Ambiente Brasileiro, cerca de 80% das embalagens plásticas são descartadas após uma única utilização, acrescentando que, recentemente, foi descoberta uma quantidade de lixo a flutuar no oceano pacífico com uma área que equivale a duas vezes o território dos EUA.

 

Ler mais
Recomendadas

Noruega aprova plano de extração de cobre no Ártico, ”um dos projetos industriais mais nocivos ao ambiente”

Acredita-se que até 66 milhões de toneladas de minério de cobre estejam subterradas no solo em Kvalsund, em Finnmark, a região mais setentrional da Europa, no interior do Círculo Polar Ártico.

Catástrofes naturais custam à economia mundial 650 mil milhões. EUA responsável por dois terços do valor

Segundo a consultora Morgan Stanley, os Estados Unidos suportam grande parte dos custos, totalizando 415 mil milhões de dólares, ou seja, 0,66% do PIB norte-americano.

Colapso da barragem em Brumadinho contaminou pelo menos 305km de rio

Pelo menos 305 quilómetros do rio Paraopeba, no sudeste do Brasil, foram contaminados após a rutura da barragem em Brumadinho que causou 166 mortos e 155 desaparecidos, segundo um relatório divulgado por uma organização não-governamental.
Comentários