Semapa com lucros a subirem 24% para 73,5 milhões no semestre

O EBITDA do primeiro semestre de 2019 decresceu cerca de 1,8%, e excluindo os impactos positivos da venda do negócio de pellets em 2018 e da aplicação da IFRS 16 em 2019, o EBITDA teria aumentado 0,7 milhões de euros.

O resultado líquido atribuível a acionistas da Semapa atingiu os 73,5 milhões de euros, crescendo 24,3% face a igual período do ano anterior. O resultado antes de impostos cresceu 2,9% para 128,0 milhões.

A melhoria do resultado líquido foi explicado pelo efeito combinado de diversos factores, incluindo a redução do EBITDA em cerca de 4,8 milhões de euros.

Excluindo os impactos positivos de 13,0 milhões de euros da venda do negócio de pellets pela Navigator ocorrido no primeiro semestre de 2018 e 7,5 milhões de euros da aplicação da IFRS 16 em 2019, o EBITDA teria aumentado 0,7 milhões de euros.

Também explicam os resultados o aumento de depreciações, amortizações, perdas por imparidade e provisões no valor de 10,4 milhões de euros, principalmente devido ao impacto da IFRS 16 e ao início da depreciação dos investimentos recentes da Navigator e a melhoria dos resultados financeiros líquidos em cerca de 18,8 milhões de euros; e a redução dos impostos sobre o rendimento em cerca de 0,7 milhões de euros.

No primeiro semestre de 2019 o volume de negócios consolidado do Grupo Semapa foi de 1.119,2 milhões de euros, resultando num crescimento de 4,7% face ao período homólogo. As exportações e vendas no exterior ascenderam a 823,4 milhões de euros, o que representa 73,6% do volume de negócios.

A dívida líquida remunerada totalizou 1.568,1 milhões, tendo subido 1,1%. O que representou um aumento de 83,7 milhões de euros face ao valor apurado no final do exercício de 2018.

Excluindo o efeito da IFRS 16, a dívida líquida seria de 1.568,1 milhões de euros, valor superior em 16,5 milhões de euros ao apresentado no final de 2018.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários