Ser ‘Perennial’ é uma questão de mentalidade, não de idade

Ter Perennials nas equipas é uma garantia de ter uma energia mobilizadora para a aprendizagem, para a inclusão e para a inovação. Estes colaboradores são movidos por desafios e não são resistentes à mudança.

Depois de anos e anos a categorizar os perfis de pessoas com base na sua geração, e a definir modelos de gestão de talentos para os Baby Boomers, Geração X, Millennials, ou Geração Z, chegou o momento de olharmos com atenção para a Ageless Generation (Geração sem Idade), os Perennials.

O termo foi introduzido em 2016 por Gina Pell, uma diretora criativa americana, que caracteriza os Perennials como um grupo de pessoas florescentes, curiosas, de TODAS as idades que vivem no presente, sabem o que está a acontecer no mundo, mantêm-se atualizadas com a tecnologia e têm amigos de todas as idades” (Meet the Perennials — thewhatlist.com).

Vai gostar de conhecer os Perennials!

Os Perennials são pessoas de qualquer idade, jovens ou adultos de qualquer geração, mas que não se enquadram nos protótipos e estereótipos definidos para categorizar as pessoas pela idade. São pessoas que se envolvem, que são movidas por uma paixão constante pela aprendizagem, e que se adaptam perfeitamente a qualquer contexto, a novas maneiras de estar, a diferentes instrumentos de trabalho, e a qualquer contexto em que se queiram enquadrar.

O conceito subjacente é o de que não interessa a idade, mas sim a mentalidade que temos. Vivemos num mundo tão plural, tão diversificado, que limitar a nossa análise com base em categorizações generalistas com base na geração de nascimento (ou qualquer outra categorização) poderá conduzir-nos a perder o poderoso insight sobre as capacidades individuais de cada pessoa e levar-nos a condicionar o próprio comportamento das pessoas para se enquadrarem nessas categorizações.

É verdade que definir outro conceito, como o conceito de “Perennials”, pode conduzir apenas a mais uma categorização que poderá provocar este mesmo impacto que se pretende evitar. Mas também é verdade que é importante definir conceitos, e está nas nossas mãos garantir que estes não se traduzem em categorizações generalistas.

Ser perennial é acima de tudo um mindset, uma maneira de estar na vida, e no trabalho. Os Perennials são pessoas curiosas, pessoas que querem fazer parte de algo maior, que querem deixar uma marca na sociedade e no contexto que os rodeia, que procuram inspirar e serem inspirados para crescer, aprender e descobrir formas de se tornarem melhores, e tornar o mundo melhor.

São colaboradores ativos, demonstram um pensamento global, são inclusivos, assumem riscos, mantém-se em constante desenvolvimento e ajudam os outros, seja numa ótica de mentoria, seja numa ótica de parceria efetiva com as pessoas que os rodeiam.

Ter Perennials nas equipas é uma garantia de ter uma energia mobilizadora para a aprendizagem, para a inclusão e para a inovação. Estes colaboradores são movidos por desafios, não têm receio de aprender novas ferramentas de trabalho, gostam de estar “na crista da onda” e acompanhar as tendências sociais, económicas e digitais. Não só não são resistentes à mudança, como se assumem frequentemente como impulsionadores da mudança, com um elevado sentido de ousadia e vontade de arriscar, para crescer e aprender.

Valorizam a flexibilidade, o trabalho remoto, mas também o contacto próximo com os outros. Não gostam de trabalhar sozinhos, mas valorizam bastante a flexibilidade, no sentido de equilibrarem o seu estilo de vida pessoal com a vida profissional. Dada a sua natureza de permanente curiosidade, gostam de se envolver em diferentes tipos de projetos e experiências, pessoais ou profissionais, e por isso precisam de alguma liberdade e flexibilidade para seguir as suas paixões. Mas não tenha qualquer dúvida, um Perennial comprometido nunca o deixará ficar mal!

Não interessa a idade, está na hora de valorizar a mentalidade.

Recomendadas

Pedro Pimenta: “É necessário não comprometer o papel dos bancos como motor da recuperação”

A proatividade dos bancos vai ter um papel relevante na deteção, de forma atempada, de eventuais problemas de empresas e de particulares no que toca ao cumprimento das suas obrigações de crédito.

Alberto Ramos: “Nos últimos anos a Banca tem evoluído positivamente ao nível de liquidez e solvabilidade”

O efeito prolongado das restrições económicas associadas aos confinamentos totais, poderão ter provocado, para muitas empresas, um problema de solvabilidade que importa avaliar e atenuar com o recurso a medidas de capital e quase capital.

Juros altos?

Taxas de juro mais altas podem colocar em causa a recuperação económica. Os bancos centrais e os governos não parecem nada interessados em ter taxas de juro mais altas nos próximos tempos.
Comentários