Será a COP 25 mais do mesmo?

Portugal foi o primeiro país a apresentar um plano para a neutralidade carbónica para 2050 e tem metas exigentes, mas são necessárias medidas concretas e consequentes.

Numa altura em que se realiza a COP 25 – Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em Madrid, e sem retirar a importância a estas cimeiras, a verdade é que os resultados têm ficado muito aquém. De COP em COP adiam-se medidas concretas. Colocam-se expectativas altas para, depois, se chegar à conclusão de que fica para a próxima.

Em 1992, na Conferência do Rio de Janeiro, chegou-se ao Protocolo de Quioto. No entanto, os EUA ficaram de fora e apostou-se no mercado do carbono e na possibilidade dos países mais ricos poderem comprar certificados de emissão de gases com efeito de estufa, promovendo a transferência de emissões. Logo aqui, tivemos uma grande oportunidade perdida.

Já nos anos 90, os relatórios do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas davam conta que este fenómeno poderia vir a ter consequências muito sérias. Desde essa altura, o mundo vive numa efectiva emergência climática e, quase 30 anos depois, pouco se aprendeu.

Após o fracasso de várias conferências, em Dezembro de 2015 foi assinado o Acordo de Paris, que estabelece como objectivo limitar a subida da temperatura do planeta abaixo dos 2ºC relativamente à era pré-industrial e fazer um esforço para restringir essa subida a 1,5ºC. Os EUA voltaram a desvincular-se desse acordo.

Em 2018, na COP 24, houve alguns avanços mas insuficientes para cumprir a ambição de que o planeta precisa e, a um mês da entrada em vigor deste acordo, o cenário não é animador.

Um grau a mais ou a menos pode parecer irrelevante, mas não é. A este ritmo, a temperatura poderá atingir mais 4°C no final do século, com consequências catastróficas: subida do nível das águas dos mares, aumento da frequência e intensidade dos extremos climáticos, destruição da biodiversidade, perda de solo útil para a agricultura e, consequentemente, para a produção de alimentos, aumento do número de refugiados climáticos, entre tantas outras.

A própria ONU salienta que as actuais promessas de cada país levarão a uma subida de 3,2ºC. Para atingirmos globalmente o objectivo estabelecido é necessário reduzir as emissões em, pelo menos, 45% até 2030. Já só temos dez anos. Ainda não é impossível, mas, por este andar, será extremamente difícil, porque o clima está a mudar a uma velocidade que as decisões teimam em não acompanhar.

Portugal foi o primeiro país a apresentar um plano para a neutralidade carbónica para 2050 e tem metas exigentes para reduzir as emissões de gases para a atmosfera até 2030, mas, sem medidas concretas e consequentes, ficamo-nos pelas intenções.

Acima de tudo, é preciso coerência. Por um lado, o Governo quer encerrar as centrais a carvão. Excelente notícia. Mas, em sentido contrário, não desiste da prospecção e exploração de hidrocarbonetos e de barragens que obterão uma produção eléctrica mínima, ao mesmo tempo que, face à potencialidade do país, ainda estamos muito atrasados na energia fotovoltaica.

Falta apostar na eficiência energética e tardam os devidos investimentos nos transportes colectivos. A par da redução do preço dos passes, medida fundamental do ponto de vista ambiental, social e económico, é preciso aumentar a oferta para responder às necessidades das populações. A desejada transição energética passa pela mobilidade colectiva. Ou seja, há decisões que estão em contra-ciclo e precisamos de soluções mais sustentáveis, tanto do ponto de vista das atitudes individuais como das atitudes económicas, para salvar este planeta.

A juntar aos alertas dos cientistas, a sociedade está mais mobilizada em defesa do clima, o que tem sido bem visível nas acções promovidas pelos jovens que exigem respostas e mudanças. É preciso que todos se unam, pois não se trata de uma guerra entre gerações, mas contra o sistema.

Apesar de todos os avisos, os países ainda não estão a ouvir. Aguarda-se, por isso, que a COP 25 nos traga novidades, sem adiamentos, retrocessos ou contradições.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

Recomendadas

Inacreditável mas verdadeiro

Boris Johnson inaugurou uma nova era em que não são os assessores sacrificados para salvar os ministros, mas o contrário.

Soberanos do tempo (10)

É fundamental dar espaço e tempo ao tempo, para que este aconteça sem imposições prévias e direções pré-estabelecidas. Uma política do tempo não deverá recuar ao primeiro obstáculo.

Esta opinião só tem dois recados

Ninguém gosta de ser chamado de moço ou moça de recados, nem de ver manchada a reputação de independência.
Comentários