Serviço de saúde britânico vive momento mais frágil desde que foi criado

“Os factos são muito claros e não vou adocicá-los. Os hospitais e os profissionais de saúde estão sob extrema pressão”, admitiu o diretor-executivo do NHS, Stevens, notando que a situação de saúde atual no Reino Unido não é favorável.

Londres, Reino Unido | Andrew Redington/Getty Images

O Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, sigla inglesa) tem-se mostrado perto da rutura, enquanto enfrenta a segunda vaga mortal da pandemia, revela o “The Guardian”. O diretor-executivo do NHS, Simon Stevens, deixou o aviso aos cidadãos britânicos, depois dos ministros de Boris Johnson apontarem que pretendem vacinar toda a população adulta até setembro.

“Os factos são muito claros e não vou adocicá-los. Os hospitais e os profissionais de saúde estão sob extrema pressão”, admitiu Stevens no domingo, notando que a situação de saúde atual no Reino Unido não é favorável.

“Desde o dia de Natal que vimos um aumento de 15 mil doentes internados em hospitais em Inglaterra. Isto é o equivalente a encher 30 hospitais de doentes infetados com coronavírus e, surpreendentemente, a cada 30 segundo, em toda a Inglaterra, outro paciente infetado está a ser admitido”, continuou o diretor-executivo.

Simon Stevens adiantou ainda que o NHS está a administrar 140 vacinas por minuto, à medida que as autoridades de saúde procuram vacinar o público o mais rápido possível. Os idosos acima dos 70 anos e com comorbilidades associadas, que somam mais de 5,5 milhões de cidadãos por todo o Reino Unido, começaram a receber a vacina esta segunda-feira, enquanto os profissionais de saúde e residentes em lares, num total de 3,8 milhões de pessoas, já estão prontos para a segunda dose.

À semelhança do que tem acontecido em Portugal, vários hospitais em ponto de rutura começaram a transferir alguns doentes para outras regiões, uma vez que as camas de internamento nas unidades Covid começaram a ser escassas. Também em Portugal, a ministra da Saúde Marta Temido disse este domingo, após visita ao Hospital Garcia de Orta, que “estamos muito próximos do limite” e que todo o Serviço Nacional de Saúde “está numa situação de extremo sobre-esforço”.

Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários