Setembro chega com calor. Temperaturas atingem os 40 graus

“Devido a um anticiclone que se encontra localizado a noroeste dos Açores, em deslocamento para leste, prevê-se que se instale uma corrente de leste no continente a partir de segunda-feira”, refere o IPMA.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) anunciou esta sexta-feira que o início de setembro vai ser quente, prevendo-se uma subida de temperatura que em alguns locais do país pode atingir os 40 graus Celsius.

Em comunicado, o IPMA informa que na segunda e terça-feira se prevê uma subida de temperatura, em especial no litoral oeste.

“Devido a um anticiclone que se encontra localizado a noroeste dos Açores, em deslocamento para leste, prevê-se que se instale uma corrente de leste no continente a partir de segunda-feira”, refere o IPMA.

Segundo o instituto, “os valores da temperatura máxima deverão variar entre 30 e 35°C na generalidade do território, podendo atingir valores entre 35 e 40°C em alguns locais do interior do Alentejo, vale do Tejo e Beira Baixa”.

“A temperatura mínima deverá variar entre 15 e 20°C, podendo ter valores entre 20 e 22°C em alguns locais da região sul e vale do Tejo, prevendo-se valores entre 13 e 15°C no nordeste transmontano”, adianta o comunicado do IPMA.

O IPMA acrescenta que “no final da primeira semana de setembro há tendência para uma pequena descida de temperatura”.

Ler mais
Recomendadas

Greta Thunberg e dezenas de milhares de jovens paralisam Hamburgo

A jovem sueca liderou a enorme manifestação que paralisou o centro da cidade durante horas, levando um cartaz onde se lia “Salvar o clima, salvar Hamburgo”.

Quercus alerta para riscos de confetis e glitter no ambiente no dia de Carnaval

Os confetis de plástico e os glitter são as principais preocupações para associação ambientalista na noite de Carnaval. Quercus apela para que se opte por opções biodegradáveis ou feitas de papel.

5,3 mil milhões de euros. Portugal a meio da tabela europeia na cobrança de impostos ambientais

No total dos 27 Estados-membros registou-se um encaixe total de 324,6 mil milhões de euros com impostos ambientais, mais 3% face a 2017 e um valor que representa 2,4% do PIB.
Comentários