Setor do betão está a crescer há três anos consecutivos

É entendido como indicador avançado da economia e indicia que o crescimento económico é para continuar, depois de oito anos que fizeram desaparecer mais de três quartos do mercado.

A produção de betão em Portugal está a crescer há três anos consecutivos, depois de um período de seis anos em que se registaram quebras recorrentes, fazendo com que mais três quartos do mercado tivessem deixado de existir. A evolução deste setor é entendida como um indicador avançado do comportamento geral da economia – pela sua relação direta com o importante setor da construção – e o percurso que foi feito desde 2014 indicia uma continuação do crescimento económico português.
Os dados da Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto (APEB) mostram que em 2014 a produção de betão em Portugal cresceu 3,7%, face a 2013, para 2,8 milhões de metros cúbicos, pondo fim a uma período de seis anos de quebras consecutivas. Um crescimento que acompanhou a tendência global da economia, que cresceu 0,89%, depois de três anos consecutivos de contracção do produto interno bruto (PIB) português.

O ciclo de crescimento mantém-se e, no ano passado, o mercado global nacional cresceu 9,3%, face a 2015, para 3,5 milhões de metros cúbicos, segundo as estimativas da APEB. Entre os associados da estrutura representativa das empresas do setor, o crescimento foi de 8%, para 2,7 milhões de metros cúbicos. Este crescimento está relacionado com o aumento da procura resultante do movimento de reabilitação urbana, mas também de construção nova.

Desde o ponto mais baixo da produção nos últimos 25 anos, atingido em 2013, com uma produção de 2,7 milhões de metros cúbicos, o mercado já cresceu 29,6%, resultado, exactamente da recuperação do setor da construção.

No entanto, apesar deste crescimento agora verificado, o nível de produção de 2016 apenas igualou o de 1992.

Oito anos negros de quebra consecutiva

Desde o pico da produção, registado em 2005, quando foram fabricados 12 milhões de metros cúbicos, a produção de betão caiu para quase metade – para 6,1 milhões de metros cúbicos – em 2011, antecipando a estagnação de 2008 (o crescimento económico limitou-se a 0,2%) e a quebra de 2009, que chegou aos 2,98%, e confirmando a descida de 1,83% do PIB em 2011, no ano em que Portugal foi obrigado a pedir ajuda externa. Mas piorou, ainda, no período que se seguiu, em que vigorou o cumprimento do acordo de assistência feito com a “troika” formada pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Entre 2011 e 2013, a produção de betão caiu mais 55,7%, acompanhando três anos consecutivos de recessão económica, incluindo a contração de 4,03%, em 2012, a mais profunda verificada na economia portuguesa desde 1975.

Quando comparado com o pico registado em 2005, a descida verificada nos oito anos que se seguiram foi de 77,5%.

À procura de maior representatividade

A APEB foi criada em 1985, em Lisboa, e reúne as principais empresas do setor, mas foi também apanhada pelos efeitos da crise.

No “Dia do Betão”, evento que decorreu este mês de junho e que juntou os profissionais do setor, o presidente da APEB, João Pragosa, destacou a importância da associação para toda a indústria de betão pronto, por “reunir as principais empresas, participar em diversas comissões técnicas e contribuir assim para o desenvolvimento de legislação a nível nacional e europeu”. Apontou, no entanto, como objetivo o aumento da representatividade. “Em 2009 fomos 26 associados”, disse. Atualmente, a APEB tem 15 membros associados e sete membros aderentes.

A segunda edição do “Dia do Betão” contou com a presença de 150 profissionais do setor e com o presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, que apelou aos participantes para insistirem “na necessidade de toda a intervenção do Estado na economia ter como preocupação central a competitividade empresarial – tanto na vertente dos custos, como na da produtividade”.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Número de edifícios concluídos e licenciados aumentam no terceiro trimestre de 2018

Edifícios licenciados cresceram 16,3% face ao período homólogo (+20,3% no segundo trimestre de 2018), correspondendo a 5,3 mil edifícios. Já os edifícios concluídos subiram 12,3% (+17,9% no segundo trimestre de 2018) perfazendo um total de 3,9 mil edifícios.

Setor da construção apresenta plano estratégico até 2030

O documento será conhecido esta tarde, durante o 7º Fórum da PTPC, que decorrerá a partir das 14h30m, no grande auditório do LNEC – Laboratório Nacional de Engenharia Civil, em Lisboa.

Índice de produção na construção cresceu 4,5% no mês de outubro

O Índice de Produção na Construção registou uma taxa de variação homóloga de 4,5% em outubro face aos 4,2% de setembro. Já os índices de emprego e de remunerações cresceram 3,2% e 4,0% (2,6% e 3,1% em setembro), respetivamente.
Comentários