Setor dos recursos minerais otimista na recuperação da atividade

A preservativa de evolução da liquidez é mais otimista face ao mês de abril, apesar de 33% estimar um impacto negativo de 20% a 40% na liquidez.

José Manuel Ribeiro/Reuters

Cerca de 95 5% das empresas do setor dos recursos minerais manteve a atividade durante a quarentena decretada devido à pandemia da Covid-19

De acordo com um estudo conduzido pela associação Assimagra, a preservativa de evolução da liquidez é mais otimista face ao mês de abril, apesar de 33% estimar um impacto negativo de 20% a 40% na liquidez.

O relatório enviado ao Jornal Económico informa que os empresários inquiridos foram mais otimistas quanto à previsão da evolução do volume de negócios a três meses, com um em cada quatro (24%) a estimar um aumento ou manutenção comparativamente com o período anterior. Apesar disso, 38% espera uma redução entre os 20% e 40% comparativamente com o mês de janeiro.

As empresas também foram mais otimistas quanto à previsão da evolução da liquidez/recebimentos, relativamente a 31 de janeiro, com uma em cada três a perspetivar uma manutenção ou aumento, enquanto que 24% espera uma redução superior a 40% nos próximos três meses. Esta percentagem é, contudo, inferior à registada no mês de abril (24% e 35%, respetivamente). Apesar disso, a seis meses a previsão de liquidez é ligeiramente mais pessimista com 38 % dos inquiridos a estimar uma redução de 20 a 40% na sua tesouraria.

Durante o período em análise, 38% das empresas recorreram ao financiamento bancário e cerca de 14% pondera ainda fazê-lo, embora a maioria não tenha concorrido a qualquer apoio ou esteja a considerar essa hipótese.

Dos que recorreram a apoios, 88% optou por concorrer a linhas de crédito no âmbito do Covid-19 e apenas 13% a outras linhas existentes. Metade das empresas inquiridas referiu que o valor do crédito se cifrou entre os 250 mil e os 500 mil euros, tendo apenas 13% recorrido a montantes superiores aos 500 mil euros e inferiores a 1 milhão. Dos pedidos efetuados pelas empresas até ao momento 78% já foram aprovados.

Ler mais
Recomendadas

Mota-Engil posiciona-se entre as 30 maiores construtoras com origens europeias

Nesta tabela elaborada pela consultora Deloitte, a Mota-Engil posiciona-se como a 76ª maior construtora mundial cotada em bolsa de acordo com o volume de negócios obtido em 2019.

Número de fogos licenciados no Alentejo cresceu 3,7% nos últimos doze meses

Sintese de conjuntura do setor da con strução elaborada pela AICCOPN revela que o consumo de cimento em Portugal subiu, em temros homólogos, 6,4% nos primeiros cinco meses deste ano.

Ferrovial ganha as duas empreitadas de expansão do Metro do Porto. Valor ascende a 288 milhões

O valor global destas adjudicações ascende a 288 milhões de euros – 189 milhões relativos ao novo traçado no Porto e 98,9 milhões para a ampliação em Gaia, assinala o comunicado da Metro do Porto.
Comentários