Shell antecipa fim da venda de veículos a combustão no Reino Unido

A petrolífera Shell considera que o Reino Unido pode proibir a venda de veículos poluentes, que consumam gasolina ou diesel, cinco anos antes do prazo proposto pelo primeiro-ministro Boris Johnson e dois anos antes do prazo admitido pelo secretário britânico dos Transportes, Grant Shapps.

A petrolífera multinacional Shell admite que o Reino Unido vai por fim à venda de veículos a gasolina e diesel em 2030. Esta data antecipa em cinco anos a proibição de venda de veículos com motor a combustão anunciada em fevereiro pelo primeiro-ministro Boris Johnson e reduz em dois anos a meta proposta pelo secretário britânico dos Transportes, Grant Shapps, que também tinha anunciado ser possível concretizar em 2032 a proibição da venda de veículos poluentes na Grã Bretanha. A informação foi divulgada na rede do LinkedIn pelo diretor de operações da petrolífera Royal Dutch Shell, Sinead Lynch, que considera que o Reino Unido poderá encerrar a comercialização de veículos a combustão no prazo de 10 anos, para, desta forma, eliminar todas as emissões poluentes até cerca de 2050, referindo que isso pode ser concretizado se o país promover uma “política de incentivos adequados”.

O governo britânico de Boris Johnson está a desenvolver uma estratégia ambiental que visa a proibição da venda de veículos novos movidos a combustíveis fósseis antes do final da década de 2030, com o objetivo de concretizar uma economia de carbono zero até 2050.

No entanto, as petrolíferas admitem que pode ser acelerada a concretização deste objetivo, antecipando o fim das vendas de veículos poluentes, o que tornará o fim dos carros a gasolina – num futuro próximo – um verdadeiro marco para a indústria global e para toda a atividade económica mundial.

Neste sentido, as maiores petrolíferas da Europa – a Shell, a BP e a Total – já estão a preparar a desaceleração na procura de combustíveis, redirecionando o seu foco industrial para a produção de eletricidade a partir de fontes renováveis.

Segundo Sinead Lynch, a maior parte dos países europeus, incluindo o Reino Unido, terão de retirar os obstáculos atualmente existentes à proibição das vendas de carros com motores a combustão, o que pressupõe a manutenção de incentivos à utilização de veículos elétricos e o reforço dos investimentos em redes de eletricidade para potenciar a sua maior utilização futura.

Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Farmacêutica Pfizer inicia ensaio clínico com quase 30 mil participantes

A farmacêutica norte-americana Pfizer e a biotecnológica alemã BioNTech iniciaram um ensaio clínico de uma potencial vacina para a Covid-19 envolvendo cerca de 30 mil participantes, foi anunciado esta quarta-feira.

Facebook lança versão do Tik Tok através do Instagram

O Reels é a aplicação que a empresa de Mark Zuckerberg criou para fazer frente ao rival Tik Tok. O lançamento acontece dias depois sa Microsoft anunciar as negociações para adquirir as operações nos EUA da aplicação de video da ByteDance na China.
Comentários