Shell regista prejuízo de 18 mil milhões de dólares no segundo trimestre

Esta traduz-se numa queda acentuada em relação a um lucro líquido de três mil milhões de dólares registados no mesmo período de 2019. Nos primeiros três meses de 2020, o resultado líquido havia sido de 2,7 mil milhões de dólares.

A gigante petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell registou um prejuízo líquido de 18 mil milhões de dólares (cerca de 15,32 mil milhões de euros) no segundo trimestre deste ano.

Segundo o relatório e contas, o valor traduz-se numa queda acentuada em relação a um lucro líquido de três mil milhões de dólares (2,55 mil milhões de euros), registados no mesmo período do ano passado, e de 2,7 mil milhões de dólares (cerca de 2,3 mil milhões de euros) dos primeiros três meses de 2020.

A multinacional reportou um lucro líquido ajustado de 638 milhões de dólares no segundo trimestre, uma queda de 82% em relação ao mesmo período do ano anterior, abaixo da previsão dos analistas, que apontavam uma perda de 664 milhões de dólares. Ben van Beurden, CEO da Shell, disse esta quinta-feira que a empresa registou um cash flow “resiliente” apesar de estar a atravessar “um ambiente extremamente desafiador”.

A empresa ainda foi forçada a fazer uma rebaixa recorde do valor dos seus ativos de petróleo e gás através de uma taxa de redução no valor recuperável de 16,8 mil milhões de dólares depois de rever as suas previsões para os preços globais do petróleo após a pandemia da Covid-19. A depreciação inclui a participação do grupo num campo de petróleo offshore na Nigéria, de propriedade da parceria da empresa italiana de petróleo Eni, que está a ser alvo de um processo judicial, em Itália.

A Shell espera que os preços globais do petróleo permaneçam bem abaixo dos níveis médios de 2019 nos próximos três anos. A petrolífera previa que os preços do petróleo chegassem a 35 dólares por barril em 2020, subindo para 40 dólares em 2021, 50 dólares em 2022 e 60 dólares em 2023. O preço médio do petróleo no ano passado foi de 64,36 dólares por barril.

Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários