Shilling lança fundo de 30 milhões de euros para investir em startups tecnológicas

O Shilling Founders Fund, no qual a Atomico está envolvida, está desenhado por fundadores para fundadores e baseia-se num modelo de partilha de lucros. É uma forma de os grandes empreendedores valorizarem (mais) o ecossistema e apoiarem outros jovens gestores que passaram pelos mesmos desafios.

A Shilling lançou um novo fundo de 30 milhões de euros para investir em startups tecnológicas em early stage (fase inicial): o “Shilling Founders Fund”, que foi desenhado por fundadores para fundadores e está interessado em financiar os próximos unicórnios portugueses.

O fundo pretende dar aos grandes empreendedores formas de valorizarem (mais) o ecossistema e apoiarem outros jovens gestores que passaram pelos mesmos desafios – uma lógica que os fundadores das startups com rápido crescimento tem adotado, para “dar [apoio] de volta” ao empreendedorismo.

Como? Há três peculiaridades neste fundo: tem mais de 35 experientes founder LPs (limited partners) – também chamados ‘sócios silenciosos’, alguém que investe em uma sociedade para obter uma parte dos lucros, mas não desempenha um papel ativo na sua gestão – que tanto investem no fundo como dão apoio aos empreendedores da próxima geração; baseia-se num modelo de partilha de lucros entre todos os fundadores do portefólio e é gerido por dez senior partners com percursos em indústrias e continentes diferentes.

O Shilling Founders Fund conta com 2 milhões de euros de investimento dos sócios, é 100% subscrito por capital privado (tanto de investidores domésticos como internacionais) e, apesar de querer contribuir para o crescimento e afirmação de Portugal como um hub tecnológico, pode investir até 40% do capital para investimentos internacionais, independentemente da localização dos fundadores destas empresas.

“Chamamos-lhe aceleração com base em experiência. Adicionalmente, usamos um modelo de profit-sharing. Cada fundador do portefólio recebe uma parte do nosso retorno. Esta dinâmica alinha os incentivos da Shilling, dos founder LPs e dos fundadores do portefólio. É transformadora”, garante o managing partner da Shilling, Pedro Santos Vieira.

Fundada por Hugo Gonçalves Pereira, António Casanova, Diogo da Silveira, João Coelho Borges, Juan Alvarez e Pedro Rutkowski em 2011, a Shilling fez duas dezenas de investimentos através do seu primeiro fundo em empresas reconhecidas no ecossistema e globalmente. É o caso da Unbabel, da Bizay (comummente conhecida como 360imprimir), Uniplaces ou Best Tables.

“No nosso programa pre-seed, o processo desde a primeira reunião até ao dinheiro no banco dura, no máximo, 30 dias. O novo fundo e a nova marca expressam a nossa visão: aproximar os empreendedores com experiência que se tornaram investidores no fundo, à dos fundadores do portefólio”, garante Hugo Gonçalves Pereira.

O novo fundo, do qual a Atomico também está por trás, entretanto já investiu em sete empresas: Rows, Vawlt, Promptly, Modatta, Biocol Labs, Decipad e Detech.AI.

Recomendadas

Pandemia foi “catastrófica” para sector dos casamentos mas perspetiva é de retoma plena em 2022

Se o sector pensava que em 2021 teria um descanso face ao ano pandémico enganou-se dado que em janeiro do presente ano a economia voltou a ficar suspensa. “Na verdade, entre 2020 e 2021, foram praticamente 18 meses em que esta indústria esteve quase sempre parada, não digo 100% mas 80% em que não se verificou atividade”, refere o diretor-geral da ExpoNoivos.

Brisa selecionada operadora de autoestradas mais sustentável da Europa em 2021

Concessionária escolhida pela terceira vez no “Global Real Estate Sustainability Benchmark” da holandesa GRESB.

Entra hoje em vigor: descida de dois cêntimos no ISP da gasolina e de um cêntimo no ISP do gasóleo

No total, está prevista a devolução de 90 milhões de euros de receita de IVA aos consumidores. A questão agora é saber se as petrolíferas e gasolineiras vão repercutir este alívio no preço dos combustíveis na bomba.
Comentários