Siemens Gamesa compra fábrica de pás eólicas Ria Blades em Vagos

O consórcio germânico-espanhol comprou a fábrica portuguesa da alemã Senvion que emprega 1.400 trabalhadores.

A Siemens Gamesa, gigante mundial de energia eólica, anunciou hoje a compra de vários ativos europeus da alemã Senvion por 200 milhões de euros.

O negócio inclui a compra da fábrica de pás eólicas Ria Blades em Vagos, Aveiro, anunciou a Siemens Gamesa esta segunda-feira.

A Ria Blades é uma “das fábricas mais competitivas da Europa”, destaca a companhia. A unidade industrial em Vagos iniciou a produção em 2009 e emprega 1.400 trabalhadores.

Esta fábrica vai ajudar a “reforçar a cadeia de valor industrial da Siemens Gamesa e reduzir a dependência de fornecedores da Ásia, reduzindo assim a volatilidade devido à incertezas derivadas dos atuais problemas no comércio”.

“A fábrica altamente competitiva” tem das “melhores características operacionais e vai ajudar a apoiar as vendas internacionais”.

“Esta transação é um passo importante para a Siemens Gamesa.  Os ativos da Senvion vão ajudar-nos a crescer em mercados essenciais e acrescentar capacidade importante na Alemanha e noutros importantes mercados europeus e a a fábrica de pás vai ajudar-nos a mitigar o risco neste ambiente difícil de comércio” , destacou o presidente executivo da Siemens Gamesa, Markus Tacke.

Os cerca de dois mil trabalhadores da Senvion vão integrar a Siemens Gamesa.

O negócio está sujeito a aprovações regulatórias e deverá estar fechado até março de 2020.

Ler mais
Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.
Comentários